Aos 53 anos, a atleta da natação paralímpica dedicou anos da sua vida ao triathlon e depois se reencontrou no paradesporto

Foto de perfil de Susana sorrindo., uma mulher branca de 53 anos. Ela usa uma touca de natação branca.

Foto: Daniel Zappe / MPIX / CPB

Por Mariana Walsh

Durante anos, a gaúcha Susana Schnarndorf, de 53 anos, dedicou a sua vida ao triathlon. Foi pentacampeã brasileira, entre 1993 e 1997, e competiu no Pan-americano de 1995 na Argentina. Além disso, participou por treze vezes do WTC Ironman, principal competição mundial do esporte, que acontece todos os anos no Havaí em que o desafio é nadar 3,8km no mar, pedalar 180km e, ao final, correr uma maratona.

Susana foi diagnosticada, aos 39 anos, com síndrome de Shy-Drager, mais conhecida como Atrofia Muscular de Múltiplos Órgãos (MSA), uma doença degenerativa que ataca o sistema nervoso e paralisa diversos músculos do corpo. A expectativa de vida para pacientes com MSA é em torno de 5 a 10 anos, mas Susana têm driblado o seu prognóstico enquanto se destaca nas piscinas mundo afora.

Os primeiros sintomas da doença foram percebidos em 2005, mas por ser uma doença rara, seu diagnóstico só foi concluído em 2007. Ao se deparar com uma notícia que mudou os rumos da sua vida, foi no esporte paralímpico que Susana aprendeu a se aceitar e conseguiu um novo incentivo em sua vida. Ela estreou pela seleção brasileira na nova modalidade em 2010, e em 2012 estava na capital inglesa para disputar sua primeira Paralimpíada.

Como a sua doença se desenvolveu ao longo dos anos, a nadadora começou na classe S7 e hoje em dia compete pela S4. A divisão de classes é feita do S1 ao S10 (quanto mais perto do um há mais comprometimento) a partir das limitações em executar a atividade e não pela deficiência. Para que a competição seja sempre justa, os atletas são reavaliados de tempos em tempos, para ver se é necessário que ocorra uma reclassificação.

No Rio, em 2016, a gaúcha ganhou sua primeira medalha paralímpica, uma prata no revezamento misto 4x50m livre. Em Tóquio, Susana está na sua terceira participação em Jogos Paralímpicos, disputou o 100m livre e ainda briga por medalhas nos 150m medley, 50m livres e 50m costas. Seja no mar do Havaí ou nas piscinas espalhadas pelo mundo, Susana segue deixando sua marca por onde passa e colecionando medalhas.

Texto produzido para cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana

Márcio Santilli

É hora de ajustar as políticas indígenas

André Menezes

Mais uma vez Vinicius Jr ficou esperando o cartão vermelho para atitudes racistas de torcedores, e ele não veio

Movimento Sem Terra

O Caso Marielle e a contaminação das instituições do RJ