Chegou a primeira medalha de ouro no quarto dia olímpico do Brasil em Tóquio. E veio do mar com a estreia mundial do surf nos Jogos. Teve medalha de bronze na natação e vitórias importantes para finais em diversas modalidades. Confira um resumo dos destaques brasileiros nas Olimpíadas 2020.

Foto: Rodolfo Vilela/rededoesporte.gov.br

Surfe masculino

O mudo se curva aos pés do menino de Baía Formosa. Ítalo Ferreira, com uma determinação extraordinária, não dá a menor chance para o japonês Kanoa Igarashi e coloca a medalha dourada no peito! O sonho do menino do nordeste virou o sonho de todo brasileiro e agora virou realidade!

Gabriel Medina começou bem, pressionando com notas acima de 8 pontos, abriu uma vantagem considerável e o mar parecia não mais querer colaborar com a bateria. No entanto, Kanoa Igarashi encontrou uma boa onda para direita, e executou um aéreo com a mão na borda, obteve um 9,33 e levou a bateria quando soou a sirene.

A certeza que fica é que o Brasil, cada vez mais, vem se tornando o país do surf, com atletas de ponta, com torcida inflamada e amor pelo esporte e com toda certeza Gabriel Medina e seu imenso talento tem uma parcela grande de contribuição nesse processo todo. Muito obrigado, Medina. E até a França, campeão!

Surfe feminino

Num mar com poucas ondas, Silvana Lima perde para Carissa Moore. Na primeira metade da bateria, as atletas encontraram algumas ondas e conseguiram pontuar, mostrando equilíbrio. Logo após esse período a havaiana passou a dar as cartas nas baterias, melhor localizada dentro do mar. Tetracampeã mundial, a haviana buscou ondas menores e mais manobráveis, e deu certo. Moore foi surfando onda atrás de onda, aumentando a vantagem para a brasileira, que por sua vez enfrentava as difíceis condições em busca de uma onda que pudesse te colocar de volta na disputa, porém, não foi possível.

Silvana perdeu para a melhor surfista do mundo na atualidade, chegar às quartas de final da olimpíada já é um feito incrível. Parabéns, Silvana.

Vela Laser e Canoagem

Ana Sátila ficou em 13º e não foi pra final. A canoísta conseguiu a melhor posição de uma brasileira na canoagem slalom. Ana ainda volta, a melhor prova dela é a canoagem C1, que tem eliminatória amanhã e finais depois de amanhã. Começaram as competições de vela e encerramos a bateria em terceiro lugar na colocação geral com a dupla Martine Grael e Kahena Kunze na classe 49er FX feminino.

Vale lembrar que nossa dupla ganhou o ouro nas olimpíadas do Rio em 2016, e o vice-campeonato mundial em 2019. No masculino, a dupla Marco Grael e Gabriel Borges, disputaram a classe 49er encerrando em 8º lugar na colocação geral.

Jorge Zarif competiu a regata da vela Finn. Chegou a liderar a prova, mas na reta final não conseguiu manter a colocação, caindo algumas posições. Ele disputará mais nove regatas, podendo melhorar sua classificação geral.

Na vela classe Laser masculina, o medalhista olímpico Robert Scheidt garantiu o terceiro lugar no ranking e disputará mais quatro regatas para tentar mais uma medalha olímpica.

Natação 200m livre

O gaúcho Fernando Scheffer deixa sua marca na história da natação brasileira, conquistando a medalha de bronze com tempo de 1m44s66. Em uma prova disputadíssima, Scheffer ficou apenas 0.44 atrás do britânico Tom Dean (1m44s22), campeão da prova. O bronze de Scheffer é a primeira medalha brasileira na natação nesta edição dos Jogos Olímpicos.

Foto: Satiro Sodré/CBDA

Natação 200m borboleta

Em uma prova de peso, Leo de Deus conquista a classificação para a final dos 200m borboleta com o tempo de 1m54s97. Ele se classifica na segunda posição apenas 2s75 atrás do primeiro colocado, o holandês recordista mundial Kristoff Milak. Leo largou bem e virou na parcial dos 100m em terceiro, quando conseguiu ultrapassar o segundo colocado, o italiano Federico Burdisso, com uma diferença de 0.14 A final ocorre na noite desta terça (27), às 22h49.

Natação 100m livre

Brasil começou o quarto dia da natação com a prova do 100m nado livre. Prova disputada em nove séries com grandes nomes da natação como Caleb Dressel, teve um nível muito alto. Gabriel Santos nadou para 49.33 e Pedro Spajari para 48.74, mas os atletas brasileiros não avançaram para a semifinal.

Natação 800m livre

Guilherme Costa, mais conhecido como o Cachorrão, nadou mais uma prova nessa que é a sua primeira participação em Jogos Olímpicos. O nadador brasileiro fez o quinto melhor tempo (7:46.09) nas eliminatórias do 800m nado livre e vai disputar a final.

Natação 4×200

​​Luiz Altamir, Murilo Sartoiri, Fernando Scheffer e Breno Correa disputaram a semifinal do revezamento 4x200m livre masculino. A equipa brasileira garantiu, com o tempo de 7:07.73, o oitavo tempo classificado para a final.

Volei de Praia Masculino

A dupla brasileira perdeu para os estadunidenses por 2×1. O primeiro set começou com uma certa folga brasileira e com erros de saque estadunidense, principalmente do experiente Dalhausser, que se sobressaiu nos bloqueios. Chegando ao final do set, os estadunidenses começaram a encaixar os saques e contra-ataques, vencendo o primeiro set por 24×22.

No segundo set, o Brasil conseguiu impor volume de jogo, sacando muito bem. Lucena e Dalhausser conseguiram passar à frente ao final do segundo set e quase fecharem o 2×0, até que Alison, na parada técnica disse: “Não tenha medo de jogar, joga forte”. O pedido foi atendido por Álvaro, que mandou uma bomba em Lucena, ganhando o segundo set por 21×19. Então começa o terceiro e decisivo set. Os americanos foram com tudo para cima, mesmo errando os saques, se valeram dos 2,06 metros de Dalhausser no bloqueio e mesmo com a recuperação brasileira no final do jogo, Lucena fecha o jogo por 15×13, vencendo o jogo por 2×1.   

Já para Evandro e Bruno Schmidt, o jogo contra Marrocos foi tranquilo. O primeiro set começou de uma forma avassaladora para os brasileiros, principalmente no forçar dos saques de Evandro e usando a categoria e inteligência de Bruno, apesar dos erros brasileiros e do princípio de reação da dupla marroquina. Bruno fecha o primeiro set por 21×14.

No começo do segundo set, o Marrocos chegou a abrir uma vantagem de quatro pontos, também contando com os erros brasileiros. Quando Evandro e Bruno começaram a impor o jogo brasileiro, errando menos, a virada veio e, mesmo com o melhor momento dos marroquinos no jogo, Evandro explora o bloqueio com um passe do Bruno e por 21×16 fecha o jogo por 2×0. 

Volei de Quadra Feminino

Em mais uma verdadeira batalha de acelerar o coração, o vôlei de quadra brasileiro vence mais uma partida e segue invicto em Tóquio. Foi a vez do time feminino levar os torcedores a loucura, acompanhando ponto a ponto a partida. O jogo foi contra a República Dominicana, que começou vencendo o primeiro set por 25 a 22. No segundo set veio reação brasileira, fazendo 25 a 17 e logo em seguida 25 a 13. Mas no quarto set, a República Dominicana conseguiu empatar com 25 a 23 no placar, levando o duelo para o tie-break. Em um quinto set suado, o placar terminou 15 a 12 para as brasileiras, com um show a parte de Fernanda Garay, que fez 26 pontos na partida. O Brasil volta a quadra na quinta-feira (29), às 7h40, horário de Brasília.

Valei de praia feminino

Infelizmente a dupla líder do ranking mundial Agatha e Duda perderam o jogo para as chinesas Wang e Xia por 2 sets a 0 (21/18 e 21/14). No momento as brasileiras estão em 3° lugar no grupo, mas enfrentam no próximo jogo a dupla canadense Bansley e Brandie na briga direta pelo segundo lugar e classificação para as oitavas de final. O próximo confronto será na quinta-feira às 9h00.

Handball Feminino

A primeira vitória do Brasil no handebol feminino em Tóquio veio! Em partida tranquila e sem muitos problemas, a seleção brasileira bateu a Hungria por 33 a 27. Mais uma vez a goleira Babi foi destaque, defendendo tudo e crescendo pra cima das adversárias. 

O jogo, movimentado desde o início, começou com as húngaras na frente nos primeiros minutos, cenário que logo mudou. A partir dos 10 minutos o domínio foi completo do Brasil, que errou pouco, defendeu muito bem e teve 69% de eficiência nos ataques. Samara e Ana Paula, com 7 gols, além de Duda, com 6, fizeram grande partida e ajudaram a garantir a vitória. Na próxima quarta-feira, 28, o Brasil enfrenta a Espanha pela terceira rodada do grupo B. Bora, meninas!

Tenis de Mesa Individual

Em uma partida histórica e disputada, Hugo Calderano ganha do sul-coreano, tornando-se o primeiro brasileiro a se classificar para as quartas de final nas Olimpíadas. Em sua estreia nas Olímpiadas, Calderano havia feito um jogo morno com o eslovênio Bojan Tokic. Guiado pelo nervosismo de ambas as partes e pela superioridade técnica do brasileiro, Calderano ganhou de 4 a 1.

Foto: Breno Barros / rededoesporte.com.br



Já Gustavo Tsuboi começou com uma partida também morna e com boas trocas de bola entre sets e leva o jogo da 3ª rodada de tênis de mesa individual por 4 a 2 sobre o nigeriano Quadri Aruna. Mesmo com ofensivas do adversário, o brasileiro conseguiu manter a calma e seguir na competição, mas encontra um adversário à altura, Yun Lin (Taiwan) e é eliminado da competição.

Futebol feminino

As guerreiras do Brasil vencem a Zâmbia em jogo duríssimo pelo placar mínimo e avançam para as quartas! A nossa seleção iniciou a partida com o regulamento embaixo do braço, sabendo que com um empate já estaria classificada. Com isto, Pia optou por dar minutagem às reservas e testar as jogadoras para a sequência da competição.  

Destaque para Andressa Alves, que marcou um golaço de falta ainda no primeiro tempo. O lance revisado pelo VAR também gerou a expulsão da zagueira de Zâmbia, e a substituição da goleira Nali, que levou a pior em choque com Ludmila.  

O Brasil também teve que substituir Bia Zaneratto, contundida depois de choque de cabeça no lance seguinte. O jogo seguiu truncado e muito violento, obrigando a técnica Pia a poupar nossas principais atletas no intervalo.   

Com a entrada de Duda e Julia Bianchi no lugar de Marta e Formiga, o time voltou mais forte, já pensando no descanso das veteranas para as próximas fases. Mas as contusões não pararam por aí. Em mais um choque de cabeça, Poliana também precisou ser substituída.   

Ludmila também foi sacada dando lugar a Geyse, que entrou muito bem e deu outra dinâmica ao ataque brasileiro. Apesar de jogar com uma a mais desde os 12 do primeiro tempo, o Brasil teve muitas dificuldades na criação de jogadas, esbarrando na forte (até demais) marcação da Zâmbia.  

Mesmo se complicando num jogo que parecia fácil, o Brasil se classifica como segundo colocado do grupo F e encontrará a seleção canadense valendo vaga nas semi! Agora é descansar, treinar e chegar com tudo na próxima decisão!!! 

Tenis feminino

A TV não quis transmitir, mas Laura Pigossi e Luisa Stefani fizeram um jogo espetacular com vitória no match tie-break contra a dupla da República Tcheca. Perderam o primeiro set e recuperaram com força, dando a virada por 13 a 11 para as quartas de final. Elas enfrentam os EUA no próximo jogo.

Foto: Breno Barros / rededoesporte.com.br

Triatlo

Com a largada atrasada em 15 minutos devido à chuva, a prova se iniciou com ritmo forte na natação, com a brasileira Vittória Lopes se colocando entre as lideres. Um grupo de sete atletas avançou para o ciclismo, em um destaque que não seria incomodado até o fim da prova.

Durante o ciclismo, Vittória Lopes não resistiu ao ritmo e ficou para trás. Na entrada da última transição, para a corrida, 5 atletas saem para correr juntas, mas Flora Duffy (BER) impõe um ritmo forte que não permite que ninguém a acompanhe, correndo sozinha para o ouro.

Em segundo lugar, chega a britânica Taylor-Brown e em terceiro a estadunidense Kate Zaferes. A prova teve ao menos 4 quedas no ciclismo, e mais 4 abandonos, além de 12 atletas eliminadas por levarem uma volta da lider no ciclismo.

Mountain Bike – Cross Country feminino

Jaqueline Mourão fecha participação em sua 7ª Olimpíada. Ela é mais uma brasileira que entra para o seleto grupo de atletas que mais disputaram uma olímpiada. A ciclista completou a sua prova de cross-country, nos Jogos Olímpicos de Tóquio e soma o total de 7 participações olímpicas (entre verão e inverno).

Boxe Peso Pesado

O brasileiro Abner Teixeira estreou nessa terça-feira (27) no boxe peso pesado (de até 91kg). O atleta enfrentou o britânico Cheavon Clarke e avançou para as quartas de final. Foi uma luta disputadíssima, bem equilibrada, o britânico venceu o 1º round, Abner virou a luta no 2º round, levando a decisão para o 3º round. Foi vitória pra dar moral e romper o nervosismo da estreia. Vitória do projeto social, do incentivo ao esporte, parabéns Abner!

Judô 63kg feminino

Contra a judoca mongol G. Bold, Ketleyn Lima Quadros emplacou dois wazari avançando para as quartas de final. Na ocasião, Ketleyn foi perfeita em tudo, mas não contava sofrer um wazari seguido de imobilização da canadense Beauchemin-Pinard. Na repescagem encarou a holandesa Juul Franssen que em uma nova imobilização também não conseguiu de desvencilhar da oponente e viu sua jornada nesta edição chegar ao fim. “Arigatô” nossa guerreira e “à Paris il y a plus” (em Paris tem mais).

Judô 81 kg masculino

O judoca Eduardo Yudy Santos nasceu no Japão e escolheu realizar seu sonho olímpico com as cores do Brasil, até porque por ser estrangeiro não tinha oportunidade de ingressar na equipe japonesa. O atleta do Esporte Clube Pinheiros fez sua estreia em Tóquio contra o Sagi Aharon Muki, um judoca israelense. Nosso Yudy começou bem a luta, mas Muki soube aproveitar melhor o contragolpe e venceu nosso brasileiro por Ippon já na primeira luta. E assim se despediu dos Jogos de 2020, mas não se despedirá de nossa torcida.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”