Brasil segue para um segundo dia de jogos trazendo as primeiras medalhas desta edição em Tóquio. Teve emoção no judô, surfe, ginástica, natação, além de grandes estreias no skate, boxe e uma decisões importantes em outras modalidades. Confira o resumão olímpico.

Foto: Rodolfo Vilela/rededoesporte.gov.br

Skate Street Masculino

Histórico! Kelvin Hoefler entra para a história do skate ao ganhar a primeira prata brasileira da modalidade nos jogos olímpicos. Liderando a prova nas três primeiras rodadas, Kelvin zerou a segunda e terceira manobras. Um pouco mais pressionado, depois de ver seus adversários concluindo as manobras com com notas acima de 9.00, Kelvin sabia que precisaria acertar e conseguiu na quarta manobra: 7.58 após quase cair e precisar apoiar as mãos no chão para não perder o equilíbrio. 

Nesse momento o brasileiro já estava com o bronze garantido, mas ainda não era o suficiente. Kelvin queria mais e precisava de uma manobra sem erros. Conseguiu na última rodada um espetacular 9.34. Com 36.15 no somatório Kelvin ficou com a prata e fez história. A história do skate brasileiro passa por esse cara, o primeiro medalhista de uma modalidade que esperamos ser muito vitoriosa nos jogos olímpicos.

Vale dizer que outro brasileiro, Felipe Gustavo, também fez história por ser o primeiro skatista a competir nos Jogos Olímpicos.

Judô Masculino

Mais medalhas para o Brasil. Daniel Cargnin enfrentou o egípcio Mohamed Abdelaal em seu primeiro combate, o brasileiro se mostrou mais disposto à luta do que o egípcio e por duas vezes quase liquidou a fatura. Fomos para o golden score e o brasileiro logo no começo com um de shi harai consegue o Ippon. Na segunda luta, enfrentou o moldávo Denis Vieru. A luta começa movimentada com o moldávo buscando a pegada perfeita, ambos levam uma punição por falta de competitividade. Cargnin consegue um contragolpe e avança para as quartas de final.

Nas quartas, o brasileiro enfrentou o italiano Manuel Lombardo. A luta começou com o brasileiro tomando a iniciativa e impondo seu ritmo de luta. Ambos receberam uma punição por falta de combate. Nos segundos finais do tempo normal, o brasileiro, com wasari, crava a sua ida às semifinais.

Nas semifinais, Daniel, enfrentou o japonês e favorito a medalha de ouro, Hifume Abe. A luta começou pela busca da pegada perfeita e mais iniciativa do brasileiro, mas o japonês encaixou um Ippon, vencendo o brasileiro. Mesmo com a derrota, o brasileiro já ficou no páreo para o bronze.

Na luta pelo bronze, Daniel enfrentou o israelense Shmailov, a luta começou com certo equilíbrio e, passado o primeiro minuto, o brasileiro consegue um wasari de vantagem e força o israelita a buscar o combate, levando Daniel a buscar o atendimento médico para estancar o sangramento no nariz. A luta fica dramática no minuto final e mesmo com uma punição, Daniel Cargnin consegue a medalha de bronze para o Brasil, a primeira do judô nas olimpíadas e a segunda pro quadro de medalhas.

Foto: Breno Barros/rededoesporte.gov.br

Surfe Masculino

Na estreia do surfe nas Olimpíadas de Tokyo 2020 o mar de Tsurigasaki não colaborou. Os atletas tiveram que mostrar todo seu talento em ondas pequenas nas 5 baterias. Algumas surpresas na disputa como John John Florence indo para a repescagem, mas o favoritismo brasileiro se confirmou. Temos Brazilian Storm nas oitavas de final!! Além de Gabriel Medina e Italo Ferreira, os atletas Hirotto Ohhara, Kanoa Igarashi, Miguel Tudela, Lucas Messinas, Kolohe Andino, Owen Wright, Ramzi Boukhiam e Michel Bourez também garantiram suas vagas para a próxima fase.

Surfe Feminino

Só deu elas! Em estreia da modalidade nas olimpíadas, as surfistas brasileiras garantiram a vaga nas oitavas de final. Silvana Lima ficou em segunda posição com 12.13, na terceira bateria. Enquanto, Tatiana Weston-Webb em primeira com 11.33, dominando a quarta bateria. As atletas brasileiras que levantavam expectativas entraram com tudo no mar e garantiram boas notas.

Remo

Em uma disputa emocionante, Lucas Verthein, que foi o primeiro brasileiro a competir na modalidade individual do Remo, já se classificou para a próxima fase. O brasileiro ficou atrás do alemão, campeão mundial, terminando na segunda posição em uma disputa sensacional. A semifinal será disputada na terça-feira.

Vôlei de praia masculino

Evandro e Bruno Schmidt estrearam com louvor o vôlei de praia masculino e venceram os chilenos Esteban e Marco Grimald por 2 a 1 nas Olimpíadas de Tóquio-2020. Com parciais de 21/16, 16/21 e 15/12, os brasileiros mostraram a que vieram na areia. Dominando o primeiro set, o Brasil começou intensificando o ritmo com boas defesas e ótimos pontos de saque, fechando o set com dois aces. Os chilenos recuperaram o fôlego no segundo set, empatando com a dupla brasileira, mas Bruno e Evandro deram a volta por cima e voltaram ao ritmo fechando a partida por 2 a 1.

Natação 

Na natação, o Brasil conquista importantes vagas em modalidades diversas. Fernando Scheffer fez um tempo excelente, 1:45:05, se classifica para as semifinais dos 200 metros livres que ocorrerão amanhã, a partir das 10h37. Destaque para os jovens David Popovici da Romênia, de apenas de 16 anos e Hwang Sunwoo da Coréia do Sul de 18 anos, ambos também estarão nas semifinais.

Nos 100 metros costas, Guilherme Guido também garantiu vaga, classificando-se na 11ª posição, com 53.65. E, com tempo final de 3:12:59, o time formado por Breno Correia, Pedro Spajari, Gabriel Santos e Marcelo Chierighini se classifica na 5ª posição para a grande final do Revezamento 4x100m livre. A prova que valerá medalha ocorrerá na madrugada de domingo para segunda, às 00h06.

Taekwondo

Edival Pontes, o Netinho, levou na mala para Tóquio o orgulho do povo nordestino, o sonho de menino que cresceu colecionando medalhas de ouro e a experiência de já ter vencido um mundial e uma olimpíada juvenil de taekwondo. Nas oitavas da categoria até 68kg, o turco Hakan Heckber conseguiu encaixar mais chutes e findou com vitória por 25 a 18 vencendo o brasileiro. Lutou como todo sertanejo que se preza e deu trabalho para o adversário.

Nosso Netinho chegou a ficar na frente do placar no segundo assalto e em sua coletiva carregou também na fala o encantamento de ter os anéis olímpicos como pano de fundo para o cenário perfeito para realizar mais este sonho. Não foi desta vez, mas renova seus sonhos para Paris 2024.

Canoagem Feminino

E o Brasil fez bonito na canoagem com a representante feminina da modalidade slalom K1, Ana Sátila. Fez uma primeira descida tranquila, em um tempo de 106.22 segundos e uma punição de dois segundos. Mas foi graças à sua segunda descida, na qual a brasileira deu mais velocidade, que Ana chegou a ficar na liderança durante alguns segundos, terminando ao final em sétimo lugar. O Brasil segue para a semifinal que acontece amanhã, a partir das 2h (BSB).

Ginástica Artística Feminino

Na manhã de domingo (25) as ginastas Flávia Saraiva e Rebeca Andrade representaram o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio e garantiram ótimos resultados. Apesar do país não ter conseguido classificação para competir por equipes, as ginastas se classificaram para quatro finais. 

Flavia desempenhou uma série magnífica na trave, acertando os movimentos com sabedoria, equilíbrio e leveza, garantindo vaga na final da modalidade. Ela está na final da trave, com 13.966. A atleta foi poupada dos dois últimos aparelhos devido a uma lesão no tornozelo na final de sua apresentação no solo.

Rebeca Andrade deu o nome e mostrou que o baile de favela veio pra ficar! A ginasta garantiu vaga em três finais: solo, trave e individual, que inclusive só está atrás da norte-americana Simone Biles!! É o Brasil vindo com tudo na ginástica artística.

Em relação a Flavinha, desejamos uma super recuperação e que ela venha com tudo para garantir o seu melhor na final da trave. Todo o sucesso à nossa ginástica artística brasileira!

Foto: Júlio César Guimarães/COB

Futebol Masculino

Tudo igual! Brasil empata com a Costa do Marfim em jogo marcado por expulsões:

Mesmo com um a menos desde os 15 minutos, a nossa seleção resistiu bem num primeiro tempo fraco, prejudicado pela expulsão de Douglas Luiz. O destaque da primeira etapa foi mesmo o árbitro Ismail Elfath (EUA), que comprometeu o espetáculo.

Já na etapa final, o Brasil voltou melhor, sem alterações na escalação no intervalo. Porém, sem conseguir converter a superioridade em gols, o técnico Jardine fez três alterações no setor de ataque, sacando Antony, Matheus Cunha e depois Richarlison, para a entrada de Malcom, Martinelli e Paulinho. Aos 35 minutos, a Costa do Marfim também ficou com um homem a menos, depois da expulsão de Kouassi.

E ficou assim. Mesmo sendo superior durante todo o segundo tempo e criando boas chances, a partida terminou em 0x0, deixando o Brasil com 4 pontos ganhos em duas partidas, e com grandes chances de confirmar a classificação na última rodada da primeira fase.

Handebol Feminino

Brasil estreia o handball feminino contra a seleção russa, atual campeã olímpica. O primeiro tempo foi marcado pela vantagem de gols da equipe russa e a dificuldade do Brasil em lidar com os contra-ataques do time adversário. Ja no 2° tempo, o Brasil retoma o jogo com tudo mantendo a aproximação e finaliza em empate.

Uma grande estreia para o hand feminino brasileiro, e com destaque as defesas da goleira Babi que segurou os tiros de 7m e ataques Russos e a jogadora Alexandra (6 gols) e Bruna (7 gols) que marcaram pela seleção. Brasil vem com tudo e promete o desempenho no hand nessas olimpíadas, será que veremos uma medalha por aqui?

Tênis de mesa

Gustavo Tsuboi fez um bom início na disputa do tênis de mesa, enfrentando com fôlego o romeno Ovidiu Ionescu, vencendo por 4 sets a 1. O Brasil segue para a terceira rodada e enfrentará o nigeriano Quadri Aruna, na próxima terça-feira (27). Já a brasileira não teve o mesmo resultado e foi eliminada em disputa com a francesa Jia Nan Yuan, que venceu por 4 sets a 0.

Judo Feminino

Larissa enfretou a polonesa Agata Perenec, na modalidade do judô 52kg. A luta começou um tanto travada, levando ao shido (punição) de ambas. Indo para o Golden Score, Larissa impôs um ritmo superior ao da polonesa, tentando pontuar e dando ao combate ares dramáticos. A polonesa tomou sua segunda punição e Larissa conseguiu um wasari, vencendo a luta. Na segunda rodada, ela enfrentou a japonesa Uta Abe, um dos grandes nomes do esporte na atualidade. A luta começou bem movimentada, a brasileira toma um wasari e com uma imobilização a japonesa vence a brasileira.

Boxe Masculino

Começamos bem na estreia brasileira no boxe no domingo. O pugilista Wanderson Oliveira, o Shuga, venceu o atleta sírio Wessam Salamana na Ryōgoku Kokugikan e avançou às oitavas de final na categoria até 63 kg. Wanderson foi formado em um projeto da Maré, o Luta pela Paz e vai encarar Dzmitry Asanau, de Belarus.

Remo masculino

O Brasil está nas semi-finais! Ao final de uma prova emocionante, Lucas Verthein conseguiu se manter em segundo lugar, ficando a apenas um segundo e meio do primeiro colocado. O remador volta à raia na terça-feira (27), por volta das 23h20 (BSB).

Vela Masculino

Nessa madrugada dois brasileiros entraram na água para a disputa das primeiras regatas da vela. Pela classe Laser Radial masculina, Robert Scheidt ficou na 11ª colocação na primeira regata. As outras regatas dessa classe, que seriam disputadas em seguida, foram adiadas pro dia seguinte.

Já na classe RS:X feminino, Patrícia Freitas disputou suas três regatas do dia. Na primeira e segunda, ela terminou em 13º lugar. Já na terceira e última regata do dia, teve seu melhor desempenho, ficando na 4º colocação. No geral, ela se encontra na 11º colocação.

Lembrando que ao todo são 11 regatas, em que as embarcações vão acumulando pontos. Ao final da décima regata, somam-se os pontos e os dez primeiros colocados se classificam para a regata da medalha, que vale o dobro da pontuação.

Foto: FIVB

Volei de quadra feminino

A seleção de vôlei feminina estreou com vitória sobre a Coreia do Sul por 3 sets a 0 (25/10, 25/22, 25/19). Com dois sets bem acirrados, Brasil mostra que jogadas de velocidade e força fizeram toda a diferença para garantir cada ponto. Destaques como Carol Gattaz, Fê Garay, Tantara e Gabi, foram os nomes deste jogo, que levaram o Brasil a mais uma vitória em estreias olímpicas, e caminhar na busca de mais um ouro olímpico. O próximo jogo do Brasil será contra a seleção da República Dominicana no dia 27/07 às 07h40.

Ciclismo 

Em mais um caso de luta por reconhecimento financeiro pelas mulheres, a estudante de pós-doutorado em matemática, Anne Kiesenhofer, da Austria, fatura o ouro com uma escapada a 1.5 km do final, sobre a campeã europeia Annemiek van Vleuten, que fica com a prata. Vleuten sofreu um grave acidente nos jogos do Rio 2016 quando liderava a mesma prova, ficando um mês internada por fratura no pescoço. Em terceiro lugar ficou a italina Elisa Longo Borghini, atual campeã nacional.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by NINJA E.C (@ninjaesporteclube)

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana