No primeiro dia oficial de competições, o Brasil foi representado em campo, quadra, tatame e até piscina! E emoção não faltou nas competições, começando com a esgrima, a representante do Brasil Nathalie Moellhausen perdeu o duelo para a italiana Rossella Fiamingo, vice-campeã olímpica, na noite dessa sexta-feira (23). A partida foi acirrada, e Rossella venceu por 10×9 na prorrogação. Nathalie foi GIGANTE até o final!!

Seguindo com um teste pra cardíaco, os meninos do handebal fizeram uma super partida contra a Noruega. Com 6 exclusões de 2 minutos e perda de 3 tiros de 7 metros, o Brasil perdeu o primeiro jogo da fase de grupos por 24×27.

Já no vôlei, o Brasil mostrou pra que veio e o porque tem tantas medalhas na modalidade. A primeira partida foi o clássico Brasil x Argentina, no vôlei de praia masculino. A dupla Alison Cerutti e Álvaro Filho venceu os hermanos Julián Azaad e Nicolas Capogrosso em 2 sets incríveis. Os placares finais foram de 21×16 e 21×17, respectivamente. Logo depois foi a vez de mais um Brasil x Argentina, no vôlei de praia feminino, e a dupla brasileira Ágatha e Duda venceram as argentinas Ana Gallay e Fernanda Pereyra, também por 2 sets a 0. No primeiro set as brasileiras levaram um susto, chegando a ficar três pontos atrás no placar, mas viraram e mostraram porque são favoritas ao ouro, terminando o set vencendo de 21×19, e o segundo 21×11. Indo para a quadra, o time masculino teve um pouco de dificuldade para pegar o ritmo da partida, mas mesmo assim, venceu por 3 sets a 0, de 25×22; 25×20 e 25×15 respectivamente. A sensação das Olimpíadas Douglas Souza, mostrou o motivo da sua vaga nos jogos e brilhou na partida. Com uma ótima atuação de Souza, o time conseguiu se ajustar em quadra e garantiu a primeira vitória.

Foto: Wander Roberto/COB

No tatame, o judoca Eric Takabatake competiu na modalidade 60kg e venceu a primeira luta, contra Soukphaxay Sithsene, do Laos, avançando na competição. Na segunda luta da noite, ele lutou por quase quatro minutos, e no Golden score acabou sendo eliminado para o medalhista mundial, o sul coreano Kim Won-jin. No feminino, Gabriela Chibana venceu a primeira luta da noite em apenas 13 segundos. Na segunda luta, a brasileira foi eliminada para Distria Krasniqi, atleta do Kosovo e número 1 do mundo.

Madrugada adentro, Felipe Wu, medalhista de prata na Rio 2016, não se classificou no tiro esportivo, prova da pistola de ar 10m, ficando na 32ª posição, com média 9.433. Enquanto isso, o time de ginástica artística masculino também estava representando o Brasil. O ginasta Arthur Zanetti se classificou para as finais das argolas, enquanto Caio Souza se classificou para as finais de salto e individual geral, e o estreante nos Jogos Olímpicos, Diogo Soares conseguiu a última vaga para a classificação nas finais do individual geral. A equipe ficou em 9ª na classificação e não conseguiu avançar para as finais.

Foto: Ricardo Bufolin/CBG

Ainda na madrugada, no levantamento de peso, a atleta Natasha Rosa esteve representando o país e terminou a competição em 9ª lugar. Enquanto isso, o Brasil teve representantes no tênis simples e tênis de mesa. O estreante Thiago Monteiro, infelizmente se despediu dos Jogos Olímpicos após perder por 2 sets a 0 para o alemão Jan-Lennard Struff, com parciais de 6×3 e 6×4, no tênis simples. Nas duplas, as atletas Luisa Stefani e Laura Pigossi venceram por 2 sets a 0 as canadenses Gabriela Dabrowski e Sharon Fichman, que eram cabeças de chave número sete do torneio.

Finalizando o tênis simples, já no início da manhã em um jogo equilibrado, a dupla brasileira Marcelo Demoliner e Marcelo Melo foi eliminada pelos croatas Nikola Mektic e Mate Pavic, em um jogo equilibrado, que teve boas chances para a dupla brasileira, que chegou a abrir 5×0 no Tie-Break do primeiro set, mas foram surpreendidos pela reação dos adversários. A partida acabou 2 sets a 0 para os croatas. O brasileiro João Menezes fez uma partida dramática contra o croata Marin Cilic, com mais de 3 horas e 2 Tie Breaks para definir a vitória do Croata, número 36º do ranking mundial. Menezes salvou vários Match Points e levou para o Tie Break um set que perdia por 5×0!! No final valeu a força e a constância do croata, que vendeu por 2 sets a 1, mas fica o registro da persistência de João, REPRESENTOU!

No tênis de mesa Jessica Yamada mostrou muita garra frente a sua adversária Rachel Moret, da Suíça, mas infelizmente foi eliminada das disputas individuais. A atleta volta a representar o Brasil nas disputas por equipe feminina.

E o Brasil acordou com um resultado histórico no hipismo. João Vitor Marcari Oliva, isso mesmo, o filho de Hortência Marcari, a rainha do basquete brasileiro, foi o primeiro cavaleiro a se apresentar no hipismo adestramento e registrou 70.419%, superando sua própria marca de 68.071% que conquistou na última Olimpíada, sendo até o momento a maior nota do país na modalidade, ficando em 5º lugar no Grupo A. O atleta ainda aguarda o resultado de outros competidores para saber se foi classificado entre os 18 cavaleiros que disputarão a final.

Dando um pulo na piscina, a natação brasileira participou de três provas hoje. No 400m livre, o nadador Guilherme Costa fez a primeira participação da equipe brasileira em Tóquio. O tempo de Guilherme foi de 3:45.99, e assim, o atleta do Minas Tênis Clube não se classificou para a final, mas ainda disputará as provas de 800m e 1500m livre. A melhor distância da prova de 400, foi do alemão Henning Bennet Muhlleitner, que fez 3:34.67. A segunda prova da manhã desse sábado (24), garantiu uma vaga na semifinal para o Brasil. Caio Pumptis e Felipe Lima nadaram na quarta e sétima série, respectivamente. O tempo de 1:00.76 não foi suficiente para Caio Pumputis avançar na competição. Já Felipe Lima, com tempo de 59.17 garantiu a última vaga para a próxima etapa. A terceira e última prova da natação brasileira foi o revezamento 4×100 livre feminino. Larissa Oliveira, Ana Vieira, Etiene Medeiros e Stephanie Balduccini foram as quatro nadadoras que representaram a equipe brasileira nesta prova. A equipe fez o tempo de 3:39:19 deixou as atletas de fora da disputa.

Foto: Sam Robles/CBF

Para encerrar a manhã olímpica brasileira, a seleção feminina de futebol enfrentou a vice-campeã mundial Holanda, no jogo válido pela segunda rodada do Grupo F. Como já era esperado, as holandesas apresentaram um grau maior de dificuldade para a nossa seleção, principalmente pelas jogadas da craque Martens e o poder de conclusão da atacante Miedema que marcou 2x. A Holanda fez gols rápidos logo no início de cada tempo, mas o Brasil não se abalou e reagiu rapidamente, chegando a virar a partida no segundo tempo. Os gols do Brasil foram de Debinha, Marta e Ludmila.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Agência nacional de resolução fundiária

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades