E teve mais medalha no terceiro dia de jogos olímpicos em Tóquio. Em mais um dia com decisões importantes e avanços para as últimas etapas de modalidades como Surfe e Natação 200m livre, um sufoco na quadra contra os argentinos no vôlei masculino e uma vitória histórica com a medalhista mais jovem dos últimos 80 anos de Jogos Olímpicos e é do Brasil. Se liga no resumo feito pela equipe de cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube.

Foto: Breno Barros/ rededoesporte.gov.br

Skate Street Feminino

As skatistas Rayssa Leal, Letícia Bufoni e Pamela Rosa representaram o Brasil no Skate Street feminino e teve pódio da nossa fadinha!  

Na etapa classificatória da modalidade, Pamela e Letícia infelizmente não conseguiram se classificar para a final. Pamela inclusive revelou em suas redes sociais mais tarde que enfrentou a competição com uma lesão no tornozelo, e que foi até onde conseguiu, mostrando grande resiliência por parte da atleta, que é a atual campeã mundial.

Frente a isso, nosso país foi muito bem representado pela pequena Rayssa Leal, de apenas 13 anos. A fadinha não demonstrou muito nervosismo diante da pressão, e inclusive se divertiu bastante ao longo do processo, sorrindo e dançando muito entre uma apresentação e outra. Com voltas e manobras bem feitas e apresentando pouquíssimos erros, a brasileira conseguiu conquistar não só o carinho do público, mas também o segundo lugar da competição, se tornando a medalhista olímpica mais jovem da história do Brasil e a terceira mundial na história dos Jogos.  

Rayssa Leal. Anotem esse nome, pois a garota, pequena em tamanho mas gigante nas pistas, é o presente e futuro do skate brasileiro, e promete nos trazer muito orgulho pela frente.

Triatlo Masculino

O calor de Tóquio foi o grande adversário na prova de triathlon destes jogos. Temperatura ambiente em 27ºC e água em 30º C drenaram as energias de muitos atletas durante a natação e o ciclismo. E na última volta da corrida, restaram apenas 3 para a decisão da prova. Blummenfelt (NOR) não se intimidou com os ataques de Yee (GBR) e Wilde (NZL), e nos últimos 2 km deu um ataque definitivo, sem reação dos outros dois atletas da disputa. Ele cruzou a linha de chegada em 1:45’05”, com Yee em segundo e Wilde em terceiro. O brasileiro Manoel Messias ficou em 28º. 

Surfe Feminino

Apesar do mar difícil em Tsurigasaki, as brasileiras Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb representaram o Brasil muito bem nas oitavas de final do surf feminino. Na sexta bateria do dia, a cearense Silvana Lima venceu a portuguesa Teresa Bonvalot, com uma nota 12.17 contra 7.50, avançando para as quartas de final. Logo em seguida, Tatiana Weston-Webb competiu a sétima bateria e teve muita dificuldade em achar uma onda boa para nota. Começando atrás na pontuação, Tatiana não conseguiu boas ondas para passar a japonesa Amuro Tsuzuki, que teve 10.33, contra 8.57 de Weston-Webb, que foi guerreira demais encarando a surfista local em um mar mexido, lutando até os segundos finais. Parabéns Tati, seguimos na torcida por uma medalha de Silvana Lima!

Surfe Masculino

Brasil coloca os dois surfistas nas quartas de final na chave masculina. Gabriel Medina e Ítalo Ferreira venceram suas baterias e seguem firmes na disputa pela medalha olímpica. Gabriel teve um embate épico contra seu grande rival, o australiano Julien Wilson. Foi emoção até o fim com a clássica cena da espera do resultado da última nota areia, mas, deu Gabriel Medina e Julien segue para seu ano sabático. Já Ítalo Ferreira deu show de aéreos, mostrou mais uma vez seu surf consistente e não deu chances para o neozelandês Billy Stairmand. Brazilian Storm dando show em águas nipônicas.

Handebol Masculino

Brasil segue sem vencer no handebol masculino. Ninguém esperava jogo fácil, afinal estávamos diante da bicampeã olímpica (Pequim-2008, Londres-2012 e medalha de Prata na Rio-2016). E que jogo sofrido foi esse Brasil e França no handebol masculino! Nossos atletas bem que tentaram, mas a superioridade técnica do adversário se manteve presente durante todo o jogo. França venceu o Brasil na Arena Nacional de YoYogi por 34 a 29.  Foram bem na partida, pelo Brasil, Leo Dutra com nove gols e o goleiro Ferrugem, que impediu que a vantagem francesa no placar fosse maior, efetuando ótimas defesas. O destaque negativo foi para Thiago Petrus, com expulsão direta. O próximo jogo será na quarta-feira, às 7h30, contra a Espanha.

Esgrima Masculino

O brasileiro Guilherme Toldo, 28 anos, representou o Brasil na esgrima florete masculino, mas infelizmente o esgrimista perdeu para o japonês Toshiya Saito, de 15×10. Durante a luta, Guilherme teve problemas com o equipamento, tendo que trocar de arma e pausar o combate algumas vezes. Parabéns pelo combate, Guilherme!

Taekwondo 80kg Masculino

A luta entre o brasileiro Ícaro Miguel e o italiano Simone Alessio começou com vantagem para o italiano sendo mais efetivo nos golpes na cabeça e no tronco, abrindo um 16×3. No segundo round, Simone aplica dois chutes na cabeça de Ítalo, obrigando o juiz a chamar os médicos brasileiros e encerrar o combate por nocaute técnico por interrupção.

Taekwondo 67kg Feminino

Milena Titoneli estreou em Jogos Olímpicos com uma vitória sobre Julyana Al-Sadeq, da Jordânia, por decisão dos juízes após um empate em 9 a 9. Nas quartas de final, ela pegou a número um do mundo, Matea Jelic, da Croácia, e acabou sendo derrotada por 30 a 9. Com a croata avançando para a final, a brasileira ganhou o direito de disputar a repescagem para buscar uma medalha de bronze. Na repescagem ela enfrentou a haitiana Lauren Lee, e venceu a luta por 26 a 5, garantindo a vaga na disputa pelo bronze contra Ruth Gbagbi, da Costa do Marfim. Apesar do início equilibrado, a marfinense vendeu por 12 a 8. Gbagbi garantiu mais um bronze, já que ela foi medalhista na Rio 2016 também, e Titoneli bateu na trave.

Foto: Miriam Jeske/COB

Vôlei de Praia Feminino

Ana Patrícia e Rebecca estrearam com vitória nos Jogos Olímpicos. A dupla brasileira superou as quenianas Makokha e Khadambi por 2 sets a 0, com parciais de 21/15 e 21/9. No primeiro set a vitória não veio tão fácil, mas no segundo set a diferença técnica se destacou, e as brasileiras, que são décimas colocadas no ranking mundial, venceram com facilidade. O próximo confronto das brasileiras é na terça-feira contra a dupla da Letônia, Graudina e Kravcenoka.

Judô Masculino

Eduardo Bueno lutou feito um grande samurai, fez um judô positivo e conseguiu conter o francês que tinha muito mais volume de luta. Tentou muitas vezes o mesmo golpe sem sucesso e entre uma delas quase custou a luta com uma imobilização não pontuada pela arbitragem que paralisou a luta para o início do Golden Score. Quando, enfim, o brasileiro aplicou um golpe que garantiria a passagem do judoca para próxima fase, o árbitro mal posicionado não pontuou, e o francês engatou uma chave de braço que o obrigou a bater, pondo fim na luta e resultando em sua desclassificação.

Vela Laser Masculino

Robert Scheidt teve bom desempenho nesta segunda-feira e, após três regatas, está em 8º lugar na classificação geral na classe Laser. O bicampeão olímpico acumulou um décimo e um quarto lugar nas disputas do dia em Enoshima. O brasileiro deve voltar à água na madrugada desta terça-feira para a disputa de mais três regatas.

Vela RS:X Feminino

A brasileira Patrícia Freitas competiu três regatas nesta segunda-feira, ficando em 11º, 12º e 10º lugares respectivamente. Até agora, o seu melhor resultado aconteceu na terceira regata, no domingo, com um quarto lugar. Com esses resultados ela ocupa o 11º lugar na classificação geral. As próximas regatas dessa classe estão previstas para acontecer na madrugada da próxima quarta-feira.

Natação 200m livre

Fernando Scheffer se classificou em oitavo lugar, com o tempo de 1m45s71, para a final dos 200m livres. O brasileiro saltou na raia de número quatro e saiu na frente nos primeiros 100m, mas nos últimos 50m, ele foi ultrapassado e terminou em terceiro na primeira série. A final está prevista para hoje, às 22:40.

Natação 4×100 Masculino

​​Final disputadíssima do revezamento 4x100m livre. O quarteto formado por Breno Correia, Pedro Spajari, Gabriel Santos e Marcelo Chierighini teve uma queda na sua performance em comparação a semifinal e ficou para trás na disputa. O time concluiu a prova com o tempo de 3m13s41 ficando na 8ª colocação. O pódio ficou com as equipes dos EUA (3:08.97), Itália (3:10.11) e Austrália (3:10.22) respectivamente.

Natação 100m costas

Em sua terceira Olimpíada, Guilherme Guido iniciou bem a prova com a parcial dos 50m em 3o, porém perdeu gás na reta final, terminando a bateria na 8a posição com 53s80, o que o deixou fora da final dos 100m Costas

Natação 200m borboleta

Leonardo de Deus está classificado para a semifinal do 200m borboleta. Com 1:54.83, ele vai disputar uma vaga para a final do 200m borboleta. O nadador brasileiro terminou a prova com o terceiro tempo e também fez o seu melhor tempo na distância. Aos 30 anos de idade, o atleta é uma das promessas de medalha na natação brasileira, em Tóquio.

Natação 1500m livre

Viviane Jungblut e Beatriz Dizotti nadaram os 1500m livre. As duas jovens nadadoras fizeram a primeira participação em Jogos Olímpicos, na prova dos 1500m. Beatriz Dizotti nadou a segunda série e fez o tempo de 16:29.37. Viviane Jungblut, também classificada para os 800m livre, nadou a terceira série para  o tempo de 16:21.29. Ambas não atingiram o tempo suficiente para avançar na disputa.

Boxe Feminino

Não deu para Jucielen Romeu na estreia da categoria peso-pena feminino (57kg) no programa olímpico. A brasileira fez uma boa luta, mas acabou sendo derrotada pela britânica Kariss Arstingston por pontos e foi eliminada da competição. A brasileira conseguiu fazer um bom começo de luta mas a britânica com maior estatura foi dominando com bons golpes e acabou vencendo por decisão unânime dos juízes. Valeu a bravura de Jucielen que pelo fato de estar na Olimpíada já eleva o nível do Boxe Feminino Nacional. 

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Ygor Coelho badminton (@co3lho12)


Badminton 

O Badminton do Brasil conseguiu a sua primeira vitória em Jogos Olímpicos. Em sua estreia, o atual campeão Pan-Americano Ygor Coelho, fez história e garantiu a primeira vitória para o Brasil nesta modalidade, em uma disputa realizada contra Georges Julien,da Ilha Maurício por 2 a 0. Com parciais de 21/5 e 21/16, se classifica para a próxima fase da competição, que irá acontecer no próximo dia 28.

Já no Badminton feminino, a atleta Fabiana Silva perdeu para a ucraniana Maria Ulitina por 2 sets a 0 com parciais de 21/14 e 22/20. Chegou a liderar e ter chances de partir para o terceiro set, mas a ucraniana acabou recuperando e derrotando a brasileira.

Ciclismo Mountain Bike Cross Country

No circuito de Izu, considerado por alguns o mais técnico da história dos jogos, o mountain bike masculino foi disputado em uma prova de 8 voltas. Após uma boa largada do brasileiro Henrique Avancini e um tombo do holandês Van deer Poel, que correu o Tour de France, a frente da prova foi assumida por Flückinger (SUI) e Schurter(SUI), atual campeão olímpico.

Mas isso não foi suficiente para impedir a prova crescente e o talento multiesportivo de Tom Pidcokc (GBR), que também corre provas de ciclismo de estrada. O britânico assumiu a ponta perto da metade prova para não ser mais incomodado até o final. Em segundo chegou Mathias Flückinger e em um terceiro lugar super disputado o espanhol Valero Serrano. O multicampeão mundial e atual campeão olímpico Schurter ficou em quarto. O brasileiro Henrique Avancini chegou na 13ª posição, enquanto Luiz Henrique Cocuzzi foi o 27º.

Foto: Júlio César Guimarāes/COB

Vôlei de Quadra Masculino

A seleção brasileira consegue virada excepcional contra a Argentina no segundo confronto dos Jogos Olímpicos de Tokyo. O Brasil enfrentou a seleção argentina no segundo jogo da das Olimpíadas. Foi um confronto pra testar o coração da torcida e colocar à prova todo o nosso sofrimento. A seleção Argentina precisava muito de um resultado favorável, já que perdeu o primeiro jogo para o Comitê Olímpico Russo. E eles entraram com muita sede.

O primeiro set a Argentina levou por 25/19, aproveitando o contra-ataque e as falhas na defesa brasileira, que parecia estar tímida durante a competição. Já no segundo set a equipe dos nossos vizinhos ganhou por 25/21, entregando toda a técnica e habilidade para superar nossa seleção. O desempenho da equipe argentina se deve muito ao fato de que o seu técnico, Marcelo Mendez, ser um profissional perspicaz, que conhece muito bem diversos jogadores brasileiros e os seus estilos de jogo, já que comandou o time mineiro Sada Cruzeiro por muitos anos.

Já no terceiro set, o Brasil veio com sangue nos olhos, conseguiu recuperar o passe, forçou o saque, alinhou o bloqueio e contou com a brilhante e necessária recuperação do ponteiro Leal que terminou como o maior pontuador do jogo com 18 pontos. Com isso, o Brasil fechou o set com 25/16. No quarto set a seleção fez o brasileiro ficar sem ar, ordenando as posições de ataque e protagonizando diversos rallys eletrizantes e finalmente finalizando o set com 25/21.

E fomos para o Tie Break. Na última etapa da partida, momento decisivo, a seleção brasileira disputou ponto a ponto com os argentinos, que não desistiram em nenhum momento da vitória, e finalizou o jogo em 16/14.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by NINJA E.C (@ninjaesporteclube)

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana

Márcio Santilli

É hora de ajustar as políticas indígenas