Jovem brasileira já é considerada uma das melhores skatistas da modalidade street do mundo

Foto: Marcelo Zambrana

Por Janaína Drongek para a cobertura colaboratova da NINJA Esporte Clube

Líder do ranking mundial e campeã do mundo, Pâmela Rosa é uma das atletas que representará o nosso país em uma das modalidades que dá ao Brasil mais chances de subir no pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio: o skate street.

Pâmela nasceu em São José dos Campos, interior de São Paulo, e com apenas 22 anos já se tornou um dos maiores nomes do skate street da atualidade. A garota conheceu a modalidade com apenas oito anos, quando um amigo de sua irmã chegou em sua casa com um skate e foi amor à primeira vista. Quando seus pais viram seu amor pelo esporte, deixaram de pagar a conta de luz para comprar seu primeiro skate. Depois disso, não demorou muito para que ela aprendesse as manobras e começasse a se destacar em competições como Paulista, Brasileiro e Sul-Americano.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Pâmela Rosa (@pamelarosaskt)


Em 2013, quando tinha 13 anos, foi convidada para participar do X Games, principal campeonato de skate do mundo, que naquele ano aconteceu em Foz do Iguaçu. A estreante conquistou a sétima colocação. Depois disso, Pâmela começou a acumular títulos. Na edição de 2014, conquistou a medalha de prata. No ano seguinte repetiu o feito na mesma competição. Em 2016, a skatista conquistou suas primeiras medalhas de ouro. Ficou em primeiro lugar em Austin, Estados Unidos, e em Oslo, Noruega. Títulos que a colocaram no Guinness Book, como a mais jovem a conquistar o ouro na competição na modalidade street. Pamela voltou a subir ao pódio do X-Games Norway em 2018, com uma medalha de bronze e em 2019 com uma de prata.

2019 também ficou marcado com uma de suas maiores conquistas. A paulista venceu o Campeonato Mundial de Street. Um título muito especial para a atleta, que um dia antes de competir recebeu a notícia do falecimento de um tio e mesmo abalada competiu e dedicou sua vitória a ele. Ainda no mesmo ano, a campeã mundial faturou a Street League de Londres e venceu o Oi STU Open, no Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação/ CBSk

A atleta contou muito com o apoio da família para superar as dificuldades do esporte e os altos custos para participar dos campeonatos internacionais. Além disso, no início de sua carreira, a paulista teve que lidar com o fato de praticar um esporte que, na época, além de ser marginalizado, não era visto como uma modalidade para meninas. Hoje, ela é uma das mulheres que está ajudando a mudar esse cenário. Agora, a jovem skatista vem colhendo os frutos de todo esse esforço e vem encantando o mundo com suas manobras.

O passaporte para Tóquio veio em junho deste ano. No último dia do Mundial de Street, realizado em Roma, Pamela Rosa se classificou para a final e garantiu sua vaga nos Jogos Olímpicos. Ela terminou a competição na quarta posição. Sua estreia nos Jogos Olímpicos acontecerá no domingo, dia 25, às 21 horas (horário de Brasília).

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”