Foto: Gaspar Nóbrega/COB

Por Luis Antônio Cardoso e João Pedro Menezes

Quando o desempenho do Brasil nos Jogos Olimpícos de 2020 for lembrado, muitos momentos marcantes virão à tona. Ítalo Ferreira conquistando um ouro inédito no surf após a desclassificação polêmica de Gabriel Medina nas semifinais; Rebeca Andrade fazendo história como a primeira mulher a garantir medalhas na ginástica ao subir ao pódio duas vezes; e é claro da pequena skatista Rayssa Leal recebendo a prata com apenas 13 anos de idade. No entanto, um outro jovem brasileiro também merece um espaço nas inúmeras discussões a serem tidas sobre os jogos de Tóquio nos anos por vir: Keno Machado, ou simplesmente Keno Marley.

A trajetória do pugilista de 21 anos começou em Conceição do Almeida, cidade baiana a 160 quilômetros de Salvador, com população de apenas 18 mil habitantes. Lá ingressou no Projeto Quilombo, onde fez parte do grupo de escoteiros e influenciado pelo irmão conheceu o boxe. Aos 12 anos, iniciou seus treinos na nobre arte, se mudando para São Paulo posteriormente.

Além de ter sido o primeiro influenciador, seu irmão mais velho também é responsável pelo curioso apelido.

“Marley é porque meu irmão gostava muito do Bob Marley e tinha os filhos do Bob Marley que têm os nomes legais também. E o Keno é um nome com menção às grandes paisagens, o Grand Canyon”, disse ao Uol.

A carreira do rapaz tem rendido grandes resultados. Keno desembarcou em Tóquio como medalha de prata nos Jogos Panamericano de Lima (2019) e campeão dos Jogos Olimpícos da Juventude de Buenos Aires (2018).

Nas Olimpíadas

A trajetória de Keno no Japão começou muito bem, com uma vitória por nocaute técnico no segundo round contra o chinês Daxiang Cheng, mas nas quartas de finais da categoria meio-pesado (até 81 kg), o brasileiro perdeu de forma polêmica para o britânico Benjamin Whittaker, numa decisão divididas dos jurados. Sobre o resultado, o brasileiro se mostrou muito humilde e feliz com seu desempenho. “Eu cometi alguns erros em alguns momentos da luta, isso acarretou o resultado que foi minha derrota. Estou feliz com a minha performance”, disse ao Sportv.

Minimizando a polêmica, o atleta garantiu que a responsabilidade do resultado da luta era apenas sua. “Não podemos julgar os juízes. Se eu não tivesse cometido os erros, teria ganhado. Eu acho o resultado justo, só depois de avaliação posso falar se teve qualquer tipo de injustiça”, disse após o combate.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Keno Marley (@keno_marley1)

Futuro

Com os Jogos em Paris a apenas três anos, o jovem enxerga com bons olhos seu aprendizado na terra do sol nascente. “Temos muita coisa para desenvolver. Tem o Mundial Militar, o Mundial de Boxe e Paris-24. Tenho apenas 21 anos, tempo para trabalhar e umas duas Olimpíadas pela frente”, disse o boxeador.

Mesmo após a polêmica eliminação, Keno tem conquistado o público brasileiro com suas publicações e comentários nas redes sociais, nas quais costuma parabenizar as conquistas de seus colegas. Após uma série de conquistas nos últimos anos, muita humildade na derrota e um futuro promissor, o que pode ser dito é: Obrigado, Keno.

Texto escrito em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Márcio Santilli

Lira confronta Pacheco pelo controle do processo legislativo

Marielle Ramires

De braços dados com a alegria

Bella Gonçalves

Uma deputada LGBT na Assembleia de MG pela primeira vez em 180 anos

Célio Turino

Precisamos retomar os Pontos de Cultura urgentemente

SOM.VC

Uruguai musical

Estudantes NINJA

Não existe planeta B: A importância das universidades nas mudanças climáticas

Colunista NINJA

Carta a Marielle Franco: ‘Quem mandou te matar, Mari? Aí do além é mais fácil enxergar?'

Luana Alves

Justiça por Marielle, mais urgente do que nunca. Sem anistia

Design Ativista

Feminismos, sem medo de ser plural

Tatiana Barros

Como criar narrativas com sentido e que se conectem com as pessoas, por Daniel Quadros

Dandara Tonantzin

Misoginia: como combater o ódio contra as mulheres

André Menezes

Direto ao ponto: um papo sobre representatividade, com Manoel Soares

Uirá Porã

Transformações quânticas e o comunismo tecnológico

Colunista NINJA

A indignação é seletiva