Foto: Reprodução Instagram

Por Monique Vasconcelos

Disputando a semifinal nesta sexta-feira (6), uma das promessas dos Estados Unidos no salto ornamental, Jordan Windle talvez não tivesse chegado tão longe se não fosse pelo pai, Jerry, um americano solteiro e gay que decidiu adotá-lo em um orfanato no Camboja quando o menino tinha um 1 ano. Windle concedeu uma entrevista à revista “Today” comentando que dedicou toda sua carreira para fazer seu pai adotivo o mais orgulhoso o possível.

“A todo mundo que me pergunta a razão pela qual eu mergulho, digo que é puramente para meu pai e o quanto ele ama me assistir. Se ele não tivesse feito todos os sacrifícios que fez, com todo seu amor e apoio todo este tempo em que estivemos juntos, eu realmente não estaria aqui hoje. Tenho que agradecer a ele por tudo, todas as minhas realizações. Tem sinto uma jornada incrível com ele”, se declarou ao pai.

Jerry sempre teve o sonho de ser pai, mas no início dos anos de 1990 havia muito preconceito e isso parecia impossível. Ao folhear uma revista, ele encontrou uma matéria sobre um jovem que foi adotado por um homem solteiro no Camboja e viu essa oportunidade. Após viajar ao país asiático, Jerry deu início aos trâmites para a adoção e alguns meses depois veio o menino Jordan, que estava desnutrido e com uma infecção grave, mas acabou se recuperando sob os cuidados do pai.

Jordan disse que ele consegue distinguir a voz do pai comemorando em eventos que ele está competindo. Mas, infelizmente, Jerry não pôde ir a Tóquio torcer pelo filho devido às restrições contra a Covid-19.

“Não o ter nas Olimpíadas será diferente. Queria que ele estivesse, mas isso realmente não muda meu objetivo: me divertir, mostrar o que sei fazer e dar um show para todos. Espero deixá-lo orgulhoso”, finaliza.

Texto produzido em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

XEPA

Escutar os saberes ancestrais para evitar a queda do céu, o sumiço do chão e o veneno no prato

Instituto Fome Zero

MST: 40 anos de conquistas e de ideias que alimentam a esperança de um mundo sem Fome

André Menezes

Eu preciso falar sobre o desfile da Portela

William Filho

Minha dica ao novo secretário de Justiça

André Menezes

Tá no sangue: um papo sobre samba com os irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira

Márcio Santilli

Bancada da Bala vai às urnas com todas as armas

William Filho

Multar usuários é legalizar a propina