Foto: Míriam Jeske / COB

Por Adilson M França para a cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Em tempos de redes sociais e realities, tomamos conhecimento dos caquitos paraibanos de Juliette Freire e dos sul-coreanos das teen bands de K-pop (Korean Pop) que fazem sucesso no mundo todo com seus sintetizadores eletrônicos. Contudo, não podemos de deixar de dar destaque ao taekwondo, um patrimônio das artes marciais na Coreia do Sul. E nosso paraibano Edival Marques Quirino Pontes, conhecido como Netinho em seu instagram @netinhomarquestkd, tem grandes chances de medalha nesta modalidade.

Arte marcial de origem coreana, o taekwondo é formada por tae (pé), kwon (mão) e do (caminho) e significa “a arte de usar os pés e as mãos na luta”. Foi criada há mais de 2000 anos. Chegou a participar dos jogos de Seul – 1988 e Barcelona -1992 como esporte de exibição sem fazer parte do quadro de medalhas. Foi em Sydney – 2000 que foi incluído no programa olímpico e passou a valer medalhas. E o Brasil tem grandes chances de medalha nesta modalidade. Foi a lutadora Natália Falavigna quem conquistou a medalha de bronze nas Olimpíadas de Pequim em 2008 e se tornou a primeira atleta do taekwondo brasileiro a vencer em Jogos Olímpicos.

O Brasil estreia na modalidade com os pés, mãos e caminho de Netinho que conheceu a modalidade por acaso ao visitar um amigo de infância para jogar vídeo game aos 8 anos idade. Se formou faixa preta aos 10 anos e aos 12 já era medalha de ouro no campeonato brasileiro. Em 2016 garantiu sua vaga na seleção principal, em 2019 subiu ao ponto mais alto do pódio garantindo ouro para o Brasil no Pan-americano de Lima no Peru e em Tóquio pretende mostrar que a Paraíba é terra de caquitos, forró e ouro olímpico.


 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana

Márcio Santilli

É hora de ajustar as políticas indígenas

André Menezes

Mais uma vez Vinicius Jr ficou esperando o cartão vermelho para atitudes racistas de torcedores, e ele não veio

Movimento Sem Terra

O Caso Marielle e a contaminação das instituições do RJ