Foto: arquivo pessoal

Por Emiliano Oliveira para cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Trabalhar nos bastidores de uma Olimpíadas é marco na vida de quem é fã de esportes. Essa atuação pode acontecer de várias maneiras: como voluntário(a), como contratado(a), como árbitro(a) e como estagiário(a). No Rio 2016, os(as) brasileiros(as) puderam ter essa experiência.

Desta forma surgiu a possibilidade de participação do Gustavo Neves Abade, que é treinador e empresário, além de ser árbitro de triathlon. Por já ter atuado como árbitro em nível estadual e nacional, recebeu um convite mais que especial…

“Em 2016 eu acabei me inscrevendo e atuando na equipe de produção do triathlon do Comitê Rio 2016, onde tive oportunidade de contribuir diretamente na produção do Evento Teste em 2015 e nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016”, disse. “Posso dizer que essa foi a experiência social e profissional mais intensa que vivi até hoje, e poder fazer parte da equipe que entregou um dos eventos mais marcantes de todos os tempos dos Triathlon e depois realizar pela primeira vez na história o Paratriathlon nos Jogos Paralímpicos, foi uma honra que vou carregar pra sempre na memória e no currículo”.

Depois desta experiência, Gustavo passou a se destacar internacionalmente como árbitro, atuando em eventos internacionais. Essa competência lhe rendeu um novo convite para ir aos jogos, mas desta vez como árbitro.

Foto: arquivo pessoal

“Os jogos olímpicos, para mim, trata-se de uma daquelas raras oportunidades na vida de uma pessoa, onde podemos dizer que estamos vivendo um sonho. Gosto de tudo! Poder estar em um ambiente de cooperação internacional, com um objetivo comum, para mim, e poder dizer, que pude fazer parte disso tudo, é daquelas coisas que como pai tenho orgulho de compartilhar com meus filhos. Realmente é fantástico, quando pessoas de culturas e lugares diferentes se entregam juntos, para que outros possam brilhar e inspirar. Para mim isso é um exemplo claro, que a humanidade realmente é boa, e que podemos, pelo menos, de 4 em 4 anos trabalharmos todos juntos e em harmonia”.

Ele ainda comenta como é o cenário brasileiro de atuação de árbitros de triathlon.

“O Brasil é enorme, e não podemos falar de maneira única ainda, no caso de São Paulo, existe uma oportunidade de atuação de eventos estaduais, nacionais e internacionais maior que nos outros estados, sendo assim existe um número bem grande de oficiais técnicos com oportunidades de atuação e aprendizado técnico bem grande. Essa não é uma realidade do país todo. Tenho a oportunidade de poder fazer parte da comissão de oficiais técnicos nacional, que junto com colegas do Brasil inteiro estamos trabalhando em uma formação e cadastro único nacional, com muita troca de conhecimento, para que em no futuro, tenhamos mais árbitros capacitados para a formação internacional, para  não só atuar nos eventos em solo nacional e sobretudo, principalmente, aumentar nosso número de representações no cenário internacional”.

Foto: arquivo pessoal

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana

Márcio Santilli

É hora de ajustar as políticas indígenas

André Menezes

Mais uma vez Vinicius Jr ficou esperando o cartão vermelho para atitudes racistas de torcedores, e ele não veio

Movimento Sem Terra

O Caso Marielle e a contaminação das instituições do RJ