Imagem do time de futebol de 5 no pódio após receber medalha

Foto: Ale Cabral/CPB

Por Marília Monteiro

O PENTA chegou! A seleção brasileira de futebol de 5 brilhou na arena e segue invicta nos Jogos Paralímpicos. Afinal, quem são os campeões do futebol de 5? Conheça abaixo:

Cássio Lopes dos Reis (32), é de Ituberá – BA, joga na posição fixo/ala defensivo, é da equipe Maestro – PR. Aos 14 anos de idade, Cássio sofreu um deslocamento na retina, seguido de catarata, perdendo a visão. Na infância praticava esporte, mas, apenas com 20 anos começou a jogar futebol de 5. Principais conquistas: Mundial de Hereford (2010), Parapan de Guadalajara (2011), Paralimpíada de Londres (2012), Copa América de Santa Fé (2013), Mundial de Tóquio (2014), Parapan de Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018), Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Damião Robson de Souza Ramos (46), é de Campina Grande – PB, joga na posição fixo, é da equipe APACE – PB. Aos 16 anos de idade, Damião sofreu um acidente com arma de fogo e perdeu a visão. Sempre jogou futebol, mas somente aos 18 anos começou a praticar futebol de 5. Principais conquistas: Paralimpíada de Atenas (2004), Parapan Rio (2007), Paralimpíada de Pequim (2008), Copa América de Buenos Aires (2009), Mundial de Hereford (2010), Parapan de Guadalajara (2011), Copa América de Santa Fé (2013), Mundial de Tóquio (2014), Parapan de Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018) e Copa América de São Paulo (2019).

Gledson da Paixão Barros (30), é de Salvador – BA, joga na posição ala ofensivo/pivô, é da equipe Maestro – PR. Perdeu a visão devido a uma atrofia no nervo óptico aos 6 anos de idade. Para se reabilitar, Gledson ingressou no Instituto de Cegos da Bahia (ICB), conhecendo o futebol de 5. Conseguiu evoluir no esporte e foi convocado para seleção aos 16 anos pela primeira vez. Principais conquistas:  Parapan de Guadalajara (2011), Paralimpíada de Londres (2012), Mundial de Tóquio (2014), Mundial de Madri (2018), Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Jardiel Vieira Soares (25), é de Pinheiro – MA, joga na ala ofensivo, é da equipe APACE – PB. Nasceu cego devido à toxoplasmose. Conheceu o futebol de 5 através de um evento para deficientes visuais em São Luís – MA. Principais conquistas: Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Jeferson da Conceição Gonçalves (31), é de Candeias – BA, joga na posição ala ofensivo, é da equipe Maestro – PR. Aos 7 anos de idade, o jogador perdeu a visão após um glaucoma. Com 12 anos, Jeferson se encontrou no futebol de 5, após ter passado pela natação e atletismo. Em 2010, foi eleito o melhor jogador do mundo. Principais conquistas: Parapan Rio (2007), Paralimpíada de Pequim (2008), Copa América de Buenos Aires (2009), Mundial de Hereford (2010), Parapan de Guadalajara (2011), Paralimpíada de Londres (2012), Copa América de Santa Fé (2013), Mundial de Tóquio (2014), Parapan de Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018) e Parapan de Lima (2019).

Luan de Lacerda Gonçalves (28), é de João Pessoa – PB, joga na posição de goleiro, é da equipe AGAFUC – RS. Começou a jogar futsal aos 8 anos de idade, mas somente em 2013, Luan foi chamado pelo jogador Damião para fazer parte do futebol de 5. A partir daí, passa a ser convocado para a Seleção. Principais conquistas: Copa América de Santa Fé ((2013), Mundial de Tóquio (2014), Parapan de Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018), Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Maicon Junior dos Santos Mendes (21), é de Maraú – BA, joga na posição ala defensivo, é da equipe APACE- PB. O jogador mais novo do time perdeu a visão devido ao glaucoma congênito. Conheceu o futebol de 5 no Instituto de Cegos da Bahia. Em 2016, Maicon disputou seu primeiro campeonato, passando a integrar a Seleção Brasileira nos Jogos Parapan-Americanos de Jovens no ano seguinte. Principais conquistas: Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Maurício Tchopi Dumbo (31), é de Benguela – Angola, joga na posição ala defensivo, é da equipe AGAFUC – RS. O jogador pegou sarampo, realizando o tratamento em casa, com a insuficiência de médicos para tratar a doença. A falta de um tratamento adequado acabou deixando Maicon cego. Em 2001, veio ao Brasil através de um intercâmbio entre Brasil e Angola, mas só em 2006 que descobriu o futebol de 5. Principais conquistas: Paralimpíada do Rio (2016) e Mundial de Madri (2018).

Matheus da Costa Coelho Bumussa (26), é de Campina Grande – PB, joga na posição de goleiro, é da equipe APADEVI – PB. Um amigo chamou Matheus para conhecer o futebol de 5 em 2012, mas só foi convocado para a Seleção pela primeira vez em 2018. Principais conquistas: Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Raimundo Nonato Alves Mendes – Nonato (34), é de Orocó – PE, joga na ala ofensivo/pivô, é da equipe AGAFUC – RS. Devido a uma retinose, Nonato nasceu praticamente sem enxergar. Aos 23 anos de idade, começou a praticar futebol de 5, mas antes já jogava bola com amigos. Principais conquistas: Paralimpíada de Londres (2012), Copa América de Santa Fé (2013), Mundial de Tóquio (2014), Parapan de Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018), Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Ricardo Steinmetz Alvez – Ricardinho (32), é de Osório – RS, joga na ala ofensivo, é da equipe AGAFUC – RS. Aos 6 anos de idade, o jogador sofreu um descolamento na retina, prejudicando sua visão. Com 10 anos, começou a jogar futebol de 5. Foi eleito três vezes o melhor do mundo, em 2006, 2014 e 2018. Principais conquistas: Parapan Rio (2007), Paralimpíada de Pequim (2008), Copa América de Buenos Aires (2009), Mundial de Hereford (2010), Parapan de Guadalajara (2011), Paralimpíada de Londres (2012), Copa América de Santa Fé (2013), Mundial de Tóquio (2014), Parapan de Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018), Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Tiago da Silva (25), é de Pinhais – PR, joga na ala defensivo, é da equipe AGAFUC – RS. O jogador já nasceu com alta miopia. Aos 2 anos de idade, sofreu um descolamento da retina do olho esquerdo e três anos depois, o descolamento da retina do olho direito, ficando cego completamente. Em 2009, Tiago entrou no futebol de 5 e foi convocado para a Seleção em 2013. Antes já havia praticado natação, atletismo e goalball. Principais conquistas: Parapan Toronto (2015), Paralimpíada do Rio (2016), Mundial de Madri (2018), Parapan de Lima (2019) e Copa América de São Paulo (2019).

Comissão técnica:

Fábio Luiz Ribeiro de Vasconcelos (47), é de Campina Grande -PB. Desde 2013 é técnico da Seleção Brasileira de Futebol de 5.

Josinaldo Costa Sousa (55), é de Campina Grande – PB, sua função é de auxiliar técnico e treinador de goleiros. Desde 2013 está na seleção.

Halekson Barbosa de Freitas (48), é de Campina Grande – PB, sua função é de fisioterapeuta. Desde 2013 está na seleção.

Edson Gomes Marinho Júnior (42), é de Campina Grande – PB, sua função é de preparador físico e Chamador. Desde 2019 está na seleção.

Alexandre Sérgio Silva (53), é de Campina Grande – PB, sua função é fisiologista. Desde 2018 está na seleção.

Vivian Maria dos Santos Paranhos (36), é de Valinhos – SP, sua função é nutricionista. Fez parte da seleção de 2013 a 2016, voltando em 2019.

A trajetória dos nossos campeões foi de muito esforço, coletividade, profissionalismo, dedicação e muito amor pela modalidade. O Brasil é potência mundial no futebol de 5.

É PENTA, É OURO!

Fonte: Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais.

Pesquisa feita em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Dríade Aguiar

Não existe 'Duna B'

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

Jandira Feghali

O Rio que ri

Márcio Santilli

Bolsonaro lança campanha pela própria anistia

Estudantes NINJA

A luta pela educação em São Paulo: contra os cortes e os inimigos da educação!

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia