Foto: Divulgação Comitê Olímpico Brasileiro

Por Monique Vasconcelos para cobertura colaborativa da NINJA Esporte clube

Nascida em Milão, na Itália, a maior potência da esgrima do mundo, Nathalie Moellhausen filha de pai alemão e mãe ítalo-brasileira, é a grande aposta do Brasil na categoria espada feminina, que começa nesta sexta-feira (23), às 21h (Brasília), com a final na manhã de sábado (24), no Makuhari Messe Mall, nos Jogos Olímpicos de Tóquio. 

Seguindo o conselho da avó materna, Marcela, a esgrimista, que tem a nacionalização brasileira, disse “adeus” ao seu país de nascimento, onde competia anteriormente, e representa o Brasil na esgrima desde 2014. A atleta fez um acordo com a Confederação Brasileira de Esgrima para seguir treinando em Paris, onde vive há 15 anos. Ela quis manter o nível internacional de sua competição já que a modalidade ainda não tem muito investimento no Brasil e prosseguir com a carreira de modelo e ainda investir na sua marca de moda.

Miscigenada, Nathalie veio de uma família de imigrantes. Seu avô paterno tinha origem grega e foi cônsul da Itália na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, ajudando diversos judeus a fugir do Nazismo. Já o avô materno era um italiano apaixonadíssimo pelo Brasil e assim conheceu sua avó. Os dois foram morar na Itália, onde nasceu sua mãe.

Nenhum deles era ligado a esgrima, mas Nathalie “quebrou a regra”. A modalidade chamou a atenção da atleta bem cedo. Aos cinco anos, conheceu o esporte na escola e se apaixonou. Mas a relação se tornou realmente profissional com a entrada no departamento de competição da Força Aérea Italiana.

De lá para cá muita coisa aconteceu e Nathalie atualmente é considerada a melhor esgrimista das Américas e foi responsável por resultados históricos para o Brasil: TOP 8 nas Olimpíadas Rio 2016 e, mais tarde, em 2019, conquistou a medalha de ouro no Mundial de Esgrima, tornando-se a primeira brasileira a ser campeã na competição. Também tem uma medalha de ouro por equipes (2009) e duas de bronze, individual (2010) e por equipes (2011) em mundiais, e disputou a Olimpíada de Londres, em 2012, pela Itália. O sonho pode ir ainda mais longe nas Olimpíadas 2021 e a torcida é que Nathalie consiga conquistar a primeira medalha olímpica na esgrima para o Brasil.

Conquistas importantes da carreira de Moelhausen:

  • Bronze no Campeonato Mundial Júnior em 2004
  • Bronze no GP de Doha (Qatar), evento da Copa do Mundo de 2008/2009
  • Ouro por equipes (com a Itália) na espada feminina no Campeonato Mundial de 2009
  • Estreia Olímpica em Londres 2012 com a Itália; equipe italiana eliminada nas quartas de final
  • Se naturaliza brasileira e nos Pan-Americanos de 2015 conquista duas medalhas de bronze (individual e por equipes)
  • Estreia Olímpica pelo Brasil na Rio 2016; eliminada nas quartas de final
  • Campeã mundial na espada feminina em 2019 e no mesmo ano medalha de bronze no Pan-Americano

Projeto social à vista

Além das competições, Nathalie também participa de projetos sociais e está construindo o ‘5touches’, na França, onde faz seus treinamentos, e após as Olimpíadas irá começar a desenvolver o trabalho da ONG no Brasil, com o objetivo não apenas de ensinar esgrima como um esporte em si, mas também ajudando na questão socioeducativa.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana

Márcio Santilli

É hora de ajustar as políticas indígenas

André Menezes

Mais uma vez Vinicius Jr ficou esperando o cartão vermelho para atitudes racistas de torcedores, e ele não veio

Movimento Sem Terra

O Caso Marielle e a contaminação das instituições do RJ