A dupla vem se destacando na Olimpíada e tem tudo para avançar ainda mais na competição

Foto: Reprodução Instagram pessoal Luisa Stefani

Por Helena Lima para Cobertura Colaborativa NINJA Esporte Clube

As representantes brasileiras no tênis estrearam com vitória na madrugada do último sábado (24). Na chave feminina de duplas venceram as canadenses Gabriela Dabrowski e Sharon Fichman por 2 sets a 0, com parciais de 7/6 (7/3) e 6/4 em 1 hora e 33 minutos de partida. Com esse resultado elas já estão com uma vaga garantida nas oitavas de final, onde competirão com as atletas da República Tcheca, Karolina Pliskova e Marketa Vondrousova.

O bom resultado da partida é o reflexo de uma excelente sintonia entre as atletas que já se conhecem desde a infância e traçam agora o início de uma excelente trajetória Olímpica. Em uma entrevista divulgada pela Gazeta Esportiva, Luisa Stefani afirmou:

“A gente deixou bem claro que tinha que jogar nosso jogo, não só contra elas, mas contra qualquer adversária. Eu faço minha parte, sei minhas armas, meu jogo de rede. A Laurinha está muito sólida no fundo, me ajudando muito, a gente está confiando muito na nossa maneira de jogar”.

As duas receberam o convite da Federação Internacional de Tênis apenas uma semana antes da abertura dos Jogos Olímpicos, pois para participar precisavam estar entre as dez melhores do mundo. A presença nos jogos só foi possível devido ao grande número de desistências e realocações de vagas. O fato de estarem acostumadas a jogar em dupla, foi essencial para garantir um bom desempenho.

Luisa Stefani, nasceu em São Paulo e começou a treinar com 10 anos, hoje com 23, possui 15 títulos de duplas pela International Tennis Federation (ITF), 2 WTA Challengers 125 – uma categoria secundária organizada pela Associação de Tênis Feminino (WTA) como forma de transição às tenistas de menor ranking à elite do tênis mundial – e 2 títulos WTA. Além disso, é número 23 do mundo nas duplas, a melhor posição de uma brasileira na história.

Já Laura Pigossi, de 26 anos, começou a praticar o esporte por influência de seu irmão mais velho e antes de completar vinte anos já possuía 11 títulos e mais sete vice-campeonatos de torneios ITF nas duplas. Hoje, mora na Espanha e vem se destacando cada vez mais nas competições. Dentre as brasileiras, é a mais bem ranqueada entre as duplas (número 189) por isso foi convidada para formar a equipe olímpica junto com Luisa.

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”