Baiana de Salvador, ela é hoje uma das maiores atletas de maratona aquática no mundo

Foto: Jonne Roriz / COB

Por Hildita Raab e colaboração de Paulo Zé Barcellos

A atleta brasileira, natural de Salvador (BA), filha de pai nadador e mãe ginasta, começou a nadar aos dois anos, na creche que frequentava. Em 2001, passou a treinar no Clube Olímpico de Natação em Salvador e, aos 15 anos, passou a treinar na UNISANTA. Uma curiosidade sobre a Ana Marcela, é que, atualmente, ela é Terceiro-Sargento da Marinha brasileira.

Conhecer um pouco da história dessa atleta incrível que é a Ana Marcela faz a gente querer ser melhor a cada dia e ter esperança que podemos alcançar nossos sonhos. Mas sua trajetória não se faz apenas de pódios. A atleta participou da prova nos Jogos Olímpicos de Verão de 2008, realizados em Pequim, e ficou em quinto lugar na Maratona de 10 quilômetros. Nos Jogos Olímpicos de 2016 era uma das favoritas ao pódio e terminou em 10º lugar. Na época, ela afirmou que teve problemas para se alimentar durante a prova e via isso como um dos motivos para não chegar ao pódio.

Em 2014, venceu a tradicional prova italiana Travessia Capri-Napoli, cuja distância é de 36 km, marcando o novo recorde da travessia, com o tempo de 6 horas e 24 minutos. Ainda em 2014, conquistou o tricampeonato da Copa do Mundo de Maratonas Aquáticas, disputado em Hong Kong, subindo ao pódio em todas as etapas do mundial na distância de 10 quilômetros. Em 2019, ela entrou no hall da fama internacional de natação.

É considerada uma das maiores maratonistas aquáticas da história, com onze medalhas em mundiais, sendo cinco de ouro, além de medalhas e títulos em todas as competições relevantes existentes. Depois de 6 prêmios como melhor nadadora do mundo em águas abertas, a brasileira Ana Marcela Cunha acrescentou mais um grande feito na carreira ao vencer a prova de 10km da maratona aquática nas Olimpíadas de Tóquio.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Ana Marcela Cunha OLY (@anamarcela92)


“Finalmente chegou. Por mais nova que fui em 2008, na minha primeira Olimpíada, querendo ou não é o meu quarto ciclo olímpico, vindo de uma não classificação, uma frustração no Rio e um amadurecimento muito grande para chegar até aqui. O que posso dizer é: acreditem nos seus sonhos e deem tudo de si”, afirmou a campeã após conquistar o ouro olímpico histórico.

Foi escrito na baía de Tokyo um dos capítulos mais marcantes da natação brasileira. Uma vitória sem precedentes, uma vitória espetacular. A prova dela foi impecável. Ana Marcela nadou com estratégia, se mantendo no pelotão da frente para atacar nos 3km finais e garantindo a liderança. Aula de planejamento, estratégia, força, dedicação, orientação e entrega. Abram as portas do Olimpo para nossa deusa dos 7 mares.

Salve Iemanjá. Salve Ana Marcela, ouro olímpico para a Bahia na baía de Tóquio.

Texto elaborado em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”