Foto: Reprodução

Por Renan Cuel e Danilo Lysei para a NINJA Esporte Clube

Com ar de despedida, Daniele Hypolito, 37 anos, encerra hoje sua brilhante e excelente participação no Campeonato Brasileiro de Ginástica.

A ilustre atleta, que disputou pela equipe do Flamengo, se apresentou na última sexta-feira (1º) no solo com uma das músicas mais marcantes de sua carreira e marcou presença com pontuação sobre 3 aparelhos: Salto sobre a mesa (12.000); Trave (11.750); e Solo (12.000). A ginasta conquistou o ouro por equipes no campeonato.

Parada nos últimos dois anos devido a pandemia, além do show de demonstrações de ginástica, Daniele protagonizou outros momentos emocionantes durante o campeonato brasileiro.

Após a apresentação no solo da competição, Dani se emocionou ao abraçar a sua treinadora de anos, Georgette Vidor – renomada profissional técnica da Seleção Brasileira. Outro ponto destaque, como boa capitã e atleta experiente, foi o consolo à mirim Hellen Carvalho, 13 anos, após a queda no aparelho, durante o primeiro dia.

Aos que pouco sabem, Dani foi a primeira ginasta brasileira a ganhar uma medalha em mundial da modalidade, lá em Gante 2001 – prata na prova de solo. No currículo, já são 5 participações Olímpicas (Sydney 2000, Atenas 2004, Pequim 2008, Londres 2012 e Rio 2016) e inúmeras medalhas em jogos e campeonatos Pan-Americanos da veterena ginasta.

E, após uma jornada de competições em todo o mundo, a irmã Hipólito tem posicionado às expectativas em tom de despedida, em resposta a torcedores nas redes sociais. Segundo a campeã mundial, a participação das Olimpíadas de Paris 2024 é improvável devido a sua busca de “transição de carreira”.

Da nossa parte fica o agradecimento, por abrir portas e ser esse exemplo de atleta, comentarista e profissional. Ficaremos nas expectativas e apoio sobre a sua melhor decisão, Dani!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Ana Claudino

Eles odeiam gente como nós

Renata Souza

A cor da resistência

Colunista NINJA

Contra ataques, afirmamos o ENEM como instrumento de democracia

Colunista NINJA

MARIGHELLA, o roteiro

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Laryssa Sampaio

Meu pequeno país: o genocídio e a guerra em Ruanda pelo olhar de Gabriel

Rachel Daniel

São Paulo é a Sodoma de nossos tempos, o gado da Bovespa o bezerro de ouro

Márcio Santilli

Semipresidencialismo é o centrão sempre com o poder na mão

Alexandre Araújo

Copo "meio cheio" não salva uma casa em chamas

Bruno Trezena

Eu não conhecia Bolsonaro

Márcio Santilli

Farsa bolsonarista na COP-26

Bancada Feminista do PSOL

Manifesto Juventude Negra Viva e Livre

Agatha Íris

Mister Trans Brasil, seria o seu conceito de beleza embranquecido e normativo?

Amanda Pellini

Criatividade e resistência. Entrevista com Fábio Miranda, criador do projeto Instituto Favela da Paz

Colunista NINJA

Leal, honesto, amoroso: "Marighella" evoca resistência, enche de tensão e faz chorar