Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Por Patrick Simão / Além da Arena

Milhares de terroristas utilizaram a camisa da CBF nas manifestações golpistas de ontem (8), em Brasília, onde depredaram instituições e patrimônios públicos brasileiros.

Este é o pior momento da história da camisa da Seleção Brasileira: ela virou símbolo e uniforme de terrorismo, pois é assim que os atos antidemocrático precisam ser chamados. Já tentaram atacar as instituições moralmente, e dessa vez, fizeram isso na prática, com fogo e destruição.

A camisa da Seleção, que mundialmente sempre foi vista como símbolo do Brasil para o mundo, hoje é vista mundialmente da pior forma. Ela já havia sido apropriada pelo bolsonarismo, apesar das tentativas pré-Copa do Mundo de desassociá-la da política. Bolsonaro foi derrotado, porém o bolsonarismo busca resistir, e utiliza a camisa da Seleção como uniforme.

A camisa amarela representa o Brasil desde a Copa de 1954, assumindo o lugar da camisa branca, que ficou marcada pelo traumático maracanaço de 1950. Hoje, a camisa viveu um episódio traumático, que pode romper simbolicamente a camisa amarela da Seleção. Ao menos para uma considerável parcela da população.

Nesta manhã, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) se posicionou: “A camisa da seleção brasileira é um símbolo da alegria do nosso povo. É para torcer, vibrar e amar o país. A CBF é uma entidade apartidária e democrática. Estimulamos que a camisa seja usada para unir e não para separar os brasileiros. A CBF repudia veementemente que a nossa camisa seja usada em atos antidemocráticos e de vandalismo.”

Este posicionamento, infelizmente, veio tarde demais. A CBF, tal como outras entidades do futebol como a FIFA, UEFA e Conmebol, busca a isenção política. No entanto, tudo é político, incluindo o futebol, e essa suposta isenção sempre deu margem à Ditaduras e manifestações de racismo.

A camisa amarela pode ser recuperada? Acredito que isso depende efetivamente da queda do bolsonarismo.

Vale destacar que este post é também sobre futebol: pois o esporte nunca se dissocia da política, e o uso da camisa amarela é um grande exemplo disso.

E, por fim, ANISTIA NÃO!

*Patrick Simão é fundador do canal Além da Arena

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Juan Manuel P. Domínguez

Europa e seu inconfundível perfume de ladrões de arte africano

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

William Filho

Será que o Lula vai legalizar a maconha no Brasil?

Tatiana Barros

Como a falta de espontaneidade no mundo corporativo me reaproximou do humor

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta

André Menezes

Um preto no topo é, sim, motivo para celebrar, mas precisamos lutar por uma emancipação coletiva