Foto: Reprodução Aliphine Chepkerker Tuliamuk

Atletas olímpicas protestaram após decisão do Comitê Organizador Tóquio 2020 não permitir que lactantes levem seus bebês para serem amamentados durante os jogos. Por causa da pandemia, a decisão do Comitê foi reforçada por duas vezes, quando uma atleta americana e uma canadense pediram liberação para levar seus bebês, evitando o desmame antes do tempo. A justificativa para as negativas é que este evento está sendo conduzido “com um foco sem precedentes em saúde e segurança”, o que impede visitantes estrangeiros no país.

Se por um lado, a medida tem como finalidade evitar a exposição e propagação do coronavírus entre as delegações, por outro, coloca as atletas lactantes em sofrimento por terem de por fim precoce a amamentação de seus bebês.

Com informações da reportagem de Demétrio Vecchioli para o Uol

Na foto, Aliphine Chepkerker Tuliamuk, maratonista americana.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”