Por Marília Monteiro

Os símbolos paralímpicos foram fundamentais nas transformações da identidade visual dos logotipos dos Jogos Paralímpicos ao longo dos anos utilizado pelo Comitê Paralímpico Internacional, visando promover o evento de forma autêntica, com características próprias.

Entre 1988 a 1994

O primeiro logotipo foi criado especificamente para os Jogos Paralímpicos de Verão de 1988 em Seul, na Coréia do Sul, baseado no símbolo “pa” [Hangul; Hanja], que é um elemento decorativo coreano. A logo era composta de cinco “pas”, organizados de forma semelhante aos anéis olímpicos, das cores azul, preto, vermelho, amarelo e verde. A imagem obteve êxito entre o público, sendo utilizada como símbolo do Comitê Internacional de Coordenação das Federações Mundiais de Esportes para os Deficientes (ICC), posteriormente.

Imagem: Divulgação

Em 1990, o Comitê Olímpico Internacional solicitou ao ICC que o símbolo fosse alterado, alegando que estava parecido com os anéis olímpicos, podendo causar incertezas no público em geral. Em 1991, o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) foi criado e um novo símbolo utilizado contendo seis “pás”, estruturados em forma de círculo. No final do mesmo ano, o IPC não aceitou o novo símbolo, propondo que mantivesse os cinco “pas” no logotipo. Contudo, nos Jogos Paralímpicos de Verão de 1992, em Barcelona, na Espanha, não foram utilizados nenhum dos símbolos precedentes.

Entre 1994 a 2004

O segundo logotipo foi proposto um pouco antes dos Jogos Paralímpicos de Inverno de 1992, em Albertville, na França. O símbolo era composto de três “agitos” (“Eu me movo” em latim), das cores verde, vermelha e azul, direcionados para um ponto único, em um fundo branco, usada nos Jogos Paralímpicos de de Verão de 1996, em Atlanta, nos Estados Unidos até o ano de 2004, no encerramento dos Jogos Paralímpicos de Verão do mesmo ano, em Atenas, na Grécia.

Imagem: Divulgação

O símbolo paralímpico atual é composto por três “agitos”, das cores vermelha, azul e verde, direcionados para um ponto único, em um fundo branco, criado pela agência Scholz & Friends e aprovado em 2003, simbolizando a nova visão do IPC “para capacitar atletas paralímpicos a alcançar excelência esportiva e a inspirar e excitar o mundo”. Em 2003, o IPC utilizou o símbolo em publicações e produtos licenciados, finalizando o processo na Cerimônia de encerramento dos Jogos Paralímpicos de Atenas, em 2004, ao entregar a bandeira com o novo logotipo para Pequim. A partir desse dia, os símbolos anteriores não foram mais usados. Nos Jogos Paralímpicos de Inverno de 2006, em Turim, na Itália, o símbolo é utilizado como emblema oficial. Cada país anfitrião do evento agrega ao logotipo componentes próprios.

Imagem: Divulgação

A bandeira paralímpica com o novo logotipo é hasteada pela primeira vez na cerimônia de abertura dos Jogos Paralímpicos de Inverno de 2010, em Vancouver, no Canadá. Além disso, é criado um novo lema paralímpico, intitulado “Spirit in Motion” (Espírito em Movimento), usado nos Jogos Paralímpicos de Verão de 2004 até os dias de hoje. Anteriormente, o lema criado em 1994 era “Mind, Body, Spirit (Mente, Corpo, Espírito). O hino paralímpico é o “Hymne a l’avenir” ou “Anthem of the Future” (Hino do Futuro) do compositor Thierry Darnis. Em 1996, o hino foi adotado oficialmente e a letra foi reescrita pelo cantor australiano Graeme Connors, em 2001, executado nas cerimônias paralímpicas no momento em que a bandeira paralímpica é hasteada.

 

Fonte: Símbolos Paralímpicos. Autoras: Thelma Cristina Guimarães de Lima Silva e Neide Carvalho Monteiro, 2021. Link: https://apps.data.rio/armazenzinho/pages/temasrelevantes/data/TemasRelevantes/Simbolos_Paralimpicos_Julho_2021.pdf

International Paralympic Committee. Link: https://www.paralympic.org/IPC/Paralympic_Symbol_Motto.html

International Paralympic Committee flags. Link: https://www.crwflags.com/fotw/flags/[email protected]

 

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana