Por quatro vezes medalhista olímpica, esportista afirma que abortou um dia antes dos jogos olímpicos de Pequim

Foto ilustrativa: Mídia NINJA

Por Sabrina Ferrari

Qual o poder da sociedade sobre os corpos femininos? Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), um total de 73,3 milhões de abortos seguros e inseguros ocorrem no mundo anualmente. Esse número atinge as atletas que praticam os diferentes esportes. Isso porque, o medo de perder campeonatos e patrocínios atormenta a vida das mulheres que engravidam, mas não querem abandonar suas carreiras, mesmo que seja por meses, pois sabem que a sociedade patriarcal e machista exige que estejam sempre impecáveis e garantam medalhas.

Em 2017, uma atletista americana quatro vezes campeã olímpica contou em sua biografia que abortou um dia antes dos jogos olímpicos de Pequim. Ela aponta, que era a única opção para que continuasse praticando o esporte. “O ponto culminante de uma vida de esforço estava diante de mim. Naquele momento parecia não haver nenhuma outra opção. O debate sobre quando começa a vida de um bebê estava na minha cabeça e um parto no auge da minha carreira foi insuportável. O que pensariam os meus patrocinadores, a minha família, a minha igreja e os meus fãs? Reforçando assim, os poderes que a sociedade exerce e sempre exerceu sobre os corpos e decisões femininas”.

Uma pesquisa divulgada na Folha de São Paulo mostrou que mulheres que praticam aborto em países onde ele não é permitido têm 275 vezes a mais de chance de morrer do que em países onde ele é legalizado. O medo das atletas em engravidar e a escolha pelo aborto são justificados por situações como a que ocorreu com uma atleta, na época com 41 anos, ex-jogadora do Volley Pordenone na temporada 2018/2019. A esportista teve seu contrato rescindido após anunciar a grávidez.

A atleta que é quatro vezes medalhista olímpica, citada no início da matéria, garantiu que muitas outras não usam anticoncepcionais, pois, conforme a entrevista, pode prejudicar fisicamente e também suas carreiras. Assim, “continuam competindo e se engravidam o aborto acaba ocorrendo. Isso já aconteceu e, provavelmente, vai continuar ocorrendo. É algo que todo mundo tem vergonha e ninguém fala, mas continua ocorrendo pela falta de informação”. E, claro, pela necessidade de patrocínio para que continuem concorrendo. Isso levanta a questão: qual o poder de decisão dos homens e da sociedade sobre o aborto?

A Folha Uol também já fez uma reportagem explicando que a ex-Alemanha Oriental estimulava a gravidez das atletas como ajuda para melhorar o rendimento físico. Com a afirmação de que a gestação provoca um doping natural, o ideal considerado era engravidar até dos meses antes da competição e depois fazer o aborto.

O fato é que o Brasil tem a cada dia cerca de 535 internações para o procedimento, em um país onde a prática é considerada ilegal e que mulheres morrem diarimante. Então, por qual motivo a decisão das atletas precisa ser pautada pelo trabalho e não pela própria escolha?

Texto produzido em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Na defesa da vida e no combate ao veneno, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos completa 13 anos

Bella Gonçalves

As periferias no centro do orçamento das cidades

Márcio Santilli

Desintegração latino-americana

Márcio Santilli

É hora de ajustar as políticas indígenas

André Menezes

Mais uma vez Vinicius Jr ficou esperando o cartão vermelho para atitudes racistas de torcedores, e ele não veio

Movimento Sem Terra

O Caso Marielle e a contaminação das instituições do RJ