Foto: Ulises Ruiz / AFP

Por Patrick Simão / Além da Arena

A prisão do jogador Daniel Alves, após ser acusado de estupro, gera revolta e também reflexões problemáticas sobre o futebol brasileiro. Como foi dito em um tweet de Carol Baudien que viralizou: “xingaram mais o Daniel Alves quando foi convocado do que quando acusado de um crime hediondo.”

A indignação seletiva é padrão quando este crime é associado a um atleta ou artista famoso, em uma busca por descredibilizar a vítima. Neste momento, muitos fatores não permitem defesa alguma a Daniel Alves: suas contradições nos depoimentos, a prisão devido ao alto risco de fuga, as provas de conhecimento público e o fato da vítima afirmar que não vai receber dinheiro, apenas quer justiça.

Ao acompanharmos a repercussão sobre o caso nas redes sociais, é possível confirmar que na maioria das vezes a defesa a Daniel Alves parte de bolsonaristas, visto que o jogador apoiou Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais. O padrão se repetiu com o ex-jogador Robinho, que inclusive foi a uma manifestação que pedia intervenção militar e tirou fotos com outros apoiadores de Bolsonaro.

Para além da seletividade de parte considerável da população, há um silêncio dentro do futebol brasileiro. Boa parte dos principais jogadores e ex-jogadores brasileiros se pronunciam em conjunto para defender a si mesmos, ou quando algum comentarista (como foi recentemente com Walter Casagrande) diz algo do qual eles discordam. E claro que eles podem se indignar e se posicionar em divergências de opinião, mas o fato de não se indignarem publicamente com um crime de estupro é bastante problemático.

Para tornar tudo ainda mais grave, também é importante relembrar que, para justificar a muito questionada convocação de Daniel Alves para a Copa do Mundo, o técnico Tite argumentou sobre a “importância mental” de Daniel Alves para o elenco. Em contrapartida, a comissão técnica não levou psicólogos para sua delegação, atribuindo essa função a um jogador sem nenhum conhecimento científico para isso. Um mês depois, o jogador que foi considerado pelo técnico como “a referência psicológica” da Seleção foi preso por estupro.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Márcio Santilli

Golpe em falso

Juan Manuel P. Domínguez

A direita dá um banho de sangue no Peru

NINJA Esporte Clube

Camisa da seleção tem seu pior momento: é símbolo de terrorismo

Juan Manuel P. Domínguez

Europa e seu inconfundível perfume de ladrões de arte africano

Márcio Santilli

Militares precisam incorporar emergência climática a sua visão estratégica

Eduardo Sá

Folha Seca: a livraria que há 25 anos promove cultura e política no Centro do Rio de Janeiro

NINJA Esporte Clube

A indignação seletiva e omissão do futebol brasileiro com Daniel Alves

William Filho

Será que o Lula vai legalizar a maconha no Brasil?

Tatiana Barros

Como a falta de espontaneidade no mundo corporativo me reaproximou do humor

Célio Turino

Sobre os Pontos de Cultura e o conceito de Cultura Viva

Ivana Bentes

Olhar é um ato violento

Márcio Santilli

Marina no clima

Mariane Santana

Censurada, novamente, a fotógrafa Pamela Facco cobra judicialmente o Instagram mesmo após ter ganho caso em 2019 contra danos morais à sua conta

André Menezes

Um preto no topo é, sim, motivo para celebrar, mas precisamos lutar por uma emancipação coletiva