Paralimpiadas Escolares de 2018. Foto: Marco Antonio Teixeira/ MPIX/ CPB

Por Renan Cuel

Lidar com a saúde, exclusão, capacitismo, adversidades do dia a dia infelizmente já fazem parte da rotina das pessoas com deficiências (PCD).

Como ingressar no esporte com tanto preconceito, falta de acessibilidade e falta de inclusão?

Quantos municípios, estados fornecem e atendem as necessidades dos atletas com deficiência?

Há muitas perguntas a se fazer, a maioria ainda continua sem resposta!

A falta de políticas públicas, conhecimento e outros fatores limitam e dificultam ainda mais a vida desses atletas.

Sabe-se que o trabalho de base é fundamental para formar atletas, incentivo, apoio, preparação física e psicológica, atuação de uma equipe multidisciplinar compõe a vida de um esportista. É extremamente importante realizar um trabalho de base, para formar um bom atleta, evitar lesões com um bom trabalho preventivo, atuar de forma multidisciplinar possibilita um alto rendimento com resultados melhores.

Antes de um atleta se destacar em qualquer modalidade ele precisa de oportunidades, acesso e programas de formação.  Quantos municípios, estados, fornecem esse apoio? Quantos programas existem voltados para esses atletas? Quantas pessoas com deficiência existem na sua cidade? Já parou para pensar? O fato é que em todo lugar existem pessoas com deficiências, a questão é que em poucos lugares existem incentivo e oportunidades para essas pessoas.

Os atletas do Brasil são um sucesso nas Paralimpíadas, mas infelizmente não possuem tanta visibilidade, espaço, oportunidades como os atletas que participaram das Olimpíadas.  É preciso trazer isso a público, criar o debate, formar programas específicos municipais, estaduais e governamentais para maior visibilidade. Se não fosse a conscientização, a internet, o jornalismo que abre espaço, as coisas estariam piores. É preciso educar, conscientizar, formar, construir, desconstruir, sempre!  É um aprendizado constante que deve ser compartilhado. Nesses jogos pudemos mostrar e incentivar diversas crianças que são PCD a ter referências no esporte através das redes, mas ainda falta mais meios de comunicação acessíveis a todos, uma vez que o Brasil é enorme e desigual.

Ficamos na torcida, pelo acesso, pelas oportunidades, por um mundo melhor.

Parabéns a todos os atletas paralímpicos por nos representar tão bem!

Texto produzido em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Márcio Santilli

‘Caminho do meio’ para a demarcação de Terras Indígenas

Dríade Aguiar

Não existe 'Duna B'

SOM.VC

Gatunas: o poder da resistência e da representatividade na cena musical Paraibana

Jade Beatriz

CONAE: Um Marco na Revogação do Novo Ensino Médio

Ediane Maria

O racismo também te dá gatilho?

Bancada Feminista do PSOL

Transição energética justa ou colapso socioambiental: o momento de decidir qual rumo seguir é agora

Jandira Feghali

O Rio que ri

Márcio Santilli

Bolsonaro lança campanha pela própria anistia

Estudantes NINJA

A luta pela educação em São Paulo: contra os cortes e os inimigos da educação!

William Filho

Legalização da maconha na Alemanha: o início de uma nova onda?

André Menezes

Os sons dos vinis: um papo com Dj Nyack, diretamente da Discopédia