Conheça um pouco sobre a história do maior evento esportivo para pessoas com deficiência

Foto em preto e branco de um desfile com várias pessoas agrupadas sobre cadeiras de rodas em uma pista de atletismo e um chapeu coco n

Foto: Hulton Archive/Getty Images

Por Mariana Walsh

Em 1945, o governo britânico pediu para que Ludwig Guttmann, um médico alemão, comandasse um centro de recuperação para soldados lesionados na Segunda Guerra Mundial, em Stoke Mandeville, na Inglaterra. Como sua filosofia de trabalho, ele trouxe o esporte como ferramenta de reabilitação. E três anos depois, aconteceu a primeira edição dos Jogos de Stoke Mandeville, com 16 ex-combatentes, entre homens e mulheres, que competiram no tiro com arco.

A competição ocorria todos os anos, mas foi somente em 1952 que os holandeses demonstraram interesse em participar da competição, transformando-a em um evento internacional. Os Jogos Olímpicos de 1960 aconteceram na cidade de Roma, e lá também ocorreu a primeira edição dos Jogos de Stoke Mandeville fora da Inglaterra. Posteriormente conhecido como Jogos Paralímpicos, essa edição contou com quatrocentos atletas cadeirantes de 23 países que competiram em 8 modalidades. A partir daí, as Paralimpíadas passaram a ser realizadas de quatro em quatro anos, assim como as Olimpíadas.

A edição seguinte, em 1964, foi realizada em Tóquio, porém em 1968 a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos na mesma cidade foi interrompida. Alegando problemas financeiros e falta de acessibilidade, a Cidade do México desistiu de receber o evento que acabou acontecendo em Tel Aviv, em Israel. Nos anos seguintes, a ideia de realizar ambos os eventos no mesmo local também não foi bem sucedida. Foi só em 1988 que isso voltou a acontecer, em Seul, com as Paralimpíadas acontecendo logo após as Olimpíadas, e pela primeira vez, utilizando as mesmas instalações.

Em 1989, foi criado o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) em Dusseldorf, na Alemanha (atualmente a sede fica na cidade alemã de Bonn), sendo um passo importante visando a unificação do Movimento Paralímpico no mundo. As edições seguintes das Paralimpíadas foram marcadas por diversos ajustes, como a implementação de um critério mais rigoroso para a divisão das classes, com o intuito de tornar o evento mais competitivo e atrativo.

Estima-se que cerca de 4.400 atletas estarão em Tóquio para a disputa de 22 esportes, incluindo o parabadminton e o parataekwondo, que substituíram a vela e o futebol de 7. Essa será a 16º edição dos Jogos Paralímpicos, que acontecerão entre os dias 24 de agosto e 5 de setembro. A delegação brasileira, que vem se firmando como potência nos últimos anos, é forte candidata a medalhas em diversas modalidades, podendo chegar a centésima medalha de ouro do país na competição.

Texto produzido em cobertura colaborativa da NINJA Esporte Clube

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Colunista NINJA

Memória, verdade e justiça

FODA

Qual a relação entre a expressão de gênero e a violência no Carnaval?

Márcio Santilli

Guerras e polarização política bloqueiam avanços na conferência do clima

Colunista NINJA

Vitória de Milei: é preciso compor uma nova canção

Márcio Santilli

Ponto de não retorno

Andréia de Jesus

PEC das drogas aprofunda racismo e violência contra juventude negra

Márcio Santilli

Através do Equador

XEPA

Cozinhar ou não cozinhar: eis a questão?!

Mônica Francisco

O Caso Marielle Franco caminha para revelar à sociedade a face do Estado Miliciano

Colunista NINJA

A ‘água boa’ da qual Mato Grosso e Brasil dependem

Márcio Santilli

Mineradora estrangeira força a barra com o povo indígena Mura

Jade Beatriz

Combater o Cyberbullyng: esforços coletivos

Casa NINJA Amazônia

O Fogo e a Raiz: Mulheres indígenas na linha de frente do resgate das culturas ancestrais

Rede Justiça Criminal

O impacto da nova Lei das saidinhas na vida das mulheres, famílias e comunidades

Movimento Sem Terra

Jornada de Lutas em Defesa da Reforma Agrária do MST levanta coro: “Ocupar, para o Brasil Alimentar!”