Foto: Mídia Ninja

Por Rebecca Lorenzetti para Mídia Ninja

No encerramento da COP 28, a World Wide Fund for Nature (WWF) expressou sua preocupação em relação aos resultados alcançados e emitiu declarações contundentes sobre os desafios enfrentados pelo Brasil. Maurício Voivodic, diretor executivo do WWF-Brasil, destacou a importância do engajamento do Brasil para fortalecer a confiança global e alcançar resultados significativos na COP 30.

Voivodic ressaltou que, apesar dos avanços em questões como preservação de florestas, fundo de perdas e danos e sistemas alimentares, o leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP) no mesmo dia do encerramento da Conferência é um sinal alarmante. Ele apontou que parte do governo parece ignorar a crise climática, alinhando o Brasil a nações responsáveis pelo quase fracasso da COP 28. Voivodic enfatizou a urgência da eliminação dos combustíveis fósseis, conforme indicado pela ciência, para manter o planeta em níveis saudáveis.

Alexandre Prado, líder em mudanças climáticas do WWF-Brasil, sublinhou a necessidade de mais urgência e não apenas mais ambição. Ele enfatizou que a década atual é decisiva para o sucesso, e a eliminação dos combustíveis fósseis é crucial para atingir a meta de 1,5°C estabelecida no Acordo de Paris. Prado enfatizou a importância de um compromisso forte e factível na COP 28 para acelerar a transição energética.

Jean François Timmers, líder de incidência política para cadeias livres de desmatamento e conversão do WWF, destacou a responsabilidade do Brasil em relação às emissões dos sistemas alimentares. Ele apontou que, como um dos maiores produtores mundiais de commodities agropecuárias e com uma alta taxa de desmatamento, o Brasil tem um papel-chave nesse cenário. Timmers instou o país a abraçar urgentemente a agenda de mitigação e adaptação do setor agropecuário, reduzindo drasticamente o desmatamento legal e ilegal em diversos biomas.

Os especialistas do WWF-Brasil destacaram a importância de alinhar as agendas climáticas e de conservação ambiental. Com os ecossistemas terrestres e marinhos absorvendo mais da metade das emissões de CO2 nos últimos dez anos, a organização enfatizou a necessidade de combinar esforços na luta contra a destruição do Cerrado e em outros biomas, além da Amazônia.

Diante desses desafios, a WWF-Brasil conclama ações imediatas para enfrentar a crise climática, solicitando ao Brasil a liderar pelo exemplo e a se comprometer com medidas efetivas na COP 30 e além. A organização permanece vigilante na defesa de um futuro sustentável para o planeta.

Acesse as informações completas em wwf.org.br