Foto: Mídia NINJA

Por Rebecca Lorenzetti para Mídia NINJA

A ministra do Meio Ambiente Marina Silva, está a caminho da Alemanha para compromissos oficiais, e, durante sua ausência, a Ministra dos Povos Originários, Sônia Guajajara assume a posição de Chefe de Delegação do Brasil na COP 28. Essa é a primeira vez que uma mulher indígena lidera o país no principal evento climático mundial, que conta com a maior delegação indígena brasileira da história.

“Lembro da primeira COP que participei, em 2009. Não passávamos de cinco representantes indígenas brasileiros. Hoje, estamos assumindo as negociações e liderança do Brasil no evento. Os povos indígenas são protagonistas da luta pelo clima! Desejo uma boa viagem e bom trabalho para a amiga Marina Silva na Alemanha. Por aqui, seguiremos com muita responsabilidade a condução brasileira”, declarou Sônia Guajajara em uma publicação no Instagram.

Durante uma reunião no Action Lab Al Shaheen, o presidente Lula afirmou que o Brasil será líder nas ações de combate às mudanças climáticas no mundo, exercendo o papel de destaque durante reuniões internacionais como a COP. Lula ainda destacou a importância do comprometimento da sociedade brasileira na elaboração de propostas e abordou o risco da queda do veto presidencial ao Marco Temporal pelo Congresso Nacional.

A ministra Sônia Guajajara abordou os desafios da pauta climática, ressaltando a necessidade de medidas efetivas para conter o desmatamento e promover a transição energética diante do ano mais quente registrado em 2023. Destacou a importância da demarcação e desintrusão de terras indígenas como ações efetivas para alcançar a meta de desmatamento zero em 2030, enfatizando o compromisso do Brasil na COP 30, que acontecerá em Belém/PA.

O protagonismo da Ministra, principalmente no primeiro ano da criação desse ministério, é uma grande vitória para o Brasil e para o mundo, que precisa fundamentalmente desses atores para encontrar sucesso nas ações contra as mudanças climáticas.