Descubra a envolvente fusão de sons e culturas no novo single da artista.

Foto: @emanuismo

Por Noé Pires

O S.O.M, no mês de março é especialmente para as mulheres que contribuem tanto para o cenário cultural brasileiro.

A artista manauara radicada em Natal (RN), Cami Santiz (@cami.santiz), tem conquistado corações e ouvidos com seu primeiro single autoral, “Amor por Telepatia”. Com mais de 100.000 visualizações em seus vídeos nas redes sociais, Cami rapidamente chamou a atenção da cena cultural de Natal, sendo convidada para se apresentar em um dos maiores festivais independentes de música do Nordeste, o DoSol. Além disso, seu projeto foi contemplado pela Lei Paulo Gustavo, o que possibilitará a gravação de seu segundo single.

“Amor por Telepatia” traz influências do pop latino, combinando elementos de ritmos tipicamente nordestinos, como a bregadeira, o piseiro e o bregafunk, com inspirações que vão do indie pop ao chillwave tropical. A mistura dessas influências resulta em um single de estreia refrescante e saboroso como uma água de côco gelada na praia em um dia de calor.

Além de cantora, Cami também é produtora audiovisual e lançou o clipe de estreia que ela mesma produziu, roteirizou e dirigiu.

O single foi bem recebido, alcançando mais de 25 mil plays orgânicos em apenas 2 meses de lançamento nas plataformas.

Diante da boa recepção do seu primeiro single, a artista lançou recentemente a versão “Paredão Remix”, em ritmo de bregadeira, e está se preparando para o seu próximo single “Gloss”. Este lançamento marcará suas primeiras experimentações na produção musical, contando com a colaboração do beatmaker potiguar VZL Swami.

O S.O.M, “Sistema operacional da música”, o canal de música da mídia NINJA, bateu um papo com Cami Santiz.

Nos bastidores de sua arte, Cami Santiz é uma artista independente, moldando cada batida e composição em seu homestudio no Estúdio Pergolado, e refinando o resultado final no Estúdio Kali.

A jornada criativa se estende além do áudio, com colaborações visuais de Emanuismo e João Augusto, e expressões artísticas de Aya Almeida, Gabi Mameri e Daniel Cavalcanti.

Foto: @emanuismo

Essa rede de apoio é a essência que torna tudo mais criativo e menos árduo, pois são pessoas que acreditam em sua arte e impulsionam sua jornada como artista independente.

“Paredão Remix é uma faixa produzida por VZL Swami. Na verdade este ia ser o meu primeiro lançamento, a ideia era criar algo mais voltado aos ‘paredões’ (sistemas de soundsystem do norte/nordeste) isso significa utilizar elementos como caixa repique, bumbo com os agudos um pouco mais abertos e a mixagem priorizando os médios para estralar as cornetas dos paredões… e para dar um brilho o synth fazendo as vezes da guitarra.” Comenta a Cami.

“Porém, faltando apenas uma semana para lançar, decidi mudar a rota e lançar a versão chillwave pop primeiramente, para demonstrar mais o estilo que venho explorando no meu trabalho e posteriormente algo que tivesse mais a cara do carnaval natalense.” Explica Cami Santiz

“Sexta-feira 15/03, vou abrir a turnê da banda Plutão Já foi Planeta, dessa vez com meu show completo, e que por curiosidade foram eles as pessoas responsáveis por me chamar para subir no palco pela primeira vez, gostaram dos meus vídeos publicados na internet e me fizeram o convite’. Comemora a artista

“Eu nunca tinha cantado para uma plateia, e inclusive morria de medo só de imaginar, mas esse apoio inicial no passado (que foi um pontapé) fez toda diferença! Temos estilos musicais diferentes, mas a magia da colaboração está aí, sendo uma banda Natalense, esse apoio reverberou de forma gigante, e nada melhor como fechar esse ciclo com essa tocada! Este show marca também a entrada de mais um integrante no meu projeto, o baterista potiguar Ian Medeiros, que já integrou projetos como Mahmed, Kung Fu Johnny”, ressalta a artista.