Foto: Wilson Dias/Abr

Três presídios de São Paulo enfrentam rebeliões neste início de noite de segunda-feira, 16 de março: Mongaguá, Tremembé e Mirandópolis. Segundo o jornal Folha de S. Paulo agentes penitenciários afirmam que pelo menos 1.500 presos estão foragidos até o momento.

Aparentemente a tensão nas prisões aumentou desde a semana passada, quando órgãos públicos implementaram restrições tanto às visitas de familiares quanto as saídas temporárias em datas especiais como forma de prevenção de infecções pelo novo coronavírus. A próxima data seria o feriado de Páscoa.

Todas as prisões rebeladas estão superlotadas. No CPP (Centro de Progressão Penitenciária) de Mongaguá, no litoral, a capacidade é de 1640 presos, mas estão lá hoje 2796 detentos. As penitenciárias Mirandópolis I e Mirandópolis II, no interior, abrigam 1.400 presos a mais. Em Porto Feliz, o CPP tem 700 presos acima da capacidade, assim como no CPP de Tremembé, que deveria ter no máximo 2672 detentos, mas tem 3006 presos.

A defesa dos direitos humanos, especialmente dos encarcerados, é uma luta constante e ingrata. Muitas vezes são tratados com desprezo por autoridades que não lhes garantem o mínimo de condições de dignidade.

View this post on Instagram

Sinais de um novo colapso carcerário. Arraste para o lado e veja vídeos do momento da fuga. Três presídios de São Paulo enfrentam rebeliões neste início de noite de segunda-feira: Mongaguá, Tremembé e Mirandópolis. Segundo o jornal Folha de S. Paulo agentes penitenciários afirmam que pelo menos 1.500 presos estão foragidos até o momento. Aparentemente a tensão nas prisões aumentou desde a semana passada, quando órgãos públicos implementaram restrições tanto às visitas de familiares quanto as saídas temporárias em datas especiais como forma de prevenção de infecções pelo novo coronavírus. A próxima data seria o feriado de Páscoa. Todas as prisões rebeladas estão superlotadas. No CPP (Centro de Progressão Penitenciária) de Mongaguá, no litoral, a capacidade é de 1640 presos, mas estão lá hoje 2796 detentos. As penitenciárias Mirandópolis I e Mirandópolis II, no interior, abrigam 1.400 presos a mais. Em Porto Feliz, o CPP tem 700 presos acima da capacidade, assim como no CPP de Tremembé, que deveria ter no máximo 2672 detentos, mas tem 3006 presos. A defesa dos direitos humanos, especialmente dos encarcerados, é uma luta constante e ingrata. Muitas vezes são tratados com desprezo por autoridades que não lhes garantem o mínimo de condições de dignidade. Via @ericamalunguinho Vídeos: reprodução whatsapp #coronavirus #carcere.

A post shared by Mídia NINJA (@midianinja) on