A investigação começou após a Receita Federal identificar depósitos suspeitos feitos pela AstraZeneca para a Anidrol

Foto: reprodução/Flow

A Polícia Civil de São Paulo concluiu um inquérito de dez meses contra o influenciador fitness Renato Cariani e dois amigos, Fabio Spinola Mota e Roseli Dorth, por suspeita de desvio de produtos químicos para a produção de drogas destinadas ao narcotráfico. O trio foi indiciado por tráfico equiparado, associação para tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, mas não teve prisões solicitadas, permanecendo em liberdade.

Cariani, com mais de 7 milhões de seguidores no Instagram e apoiador de Jair Bolsonaro (PL), é sócio da Anidrol Produtos para Laboratórios Ltda. junto com Roseli Dorth. Ambos são acusados de usar a empresa para falsificar notas fiscais e desviar insumos químicos para a fabricação de cocaína e crack. Interceptações telefônicas autorizadas revelaram provas do envolvimento do trio, conforme a PF.

Fábio Spinola Mota, responsável pelo esquema de repasse de insumos, já tinha histórico de investigações por tráfico de drogas. Cerca de 12 toneladas de substâncias foram desviadas ao longo de seis anos.

A investigação começou após a Receita Federal identificar depósitos suspeitos feitos pela AstraZeneca para a Anidrol, negados pela multinacional.