Movimento Brasil Verde e Amarelo (MBVA), coordenado por Galvan, foi um dos principais protagonistas das mobilizações golpistas

Foto: reprodução

Antônio Galvan, presidente da Aprosoja Brasil, é apontado como um dos principais financiadores dos ataques ocorridos em 8 de janeiro. Ele, também, articulou atos por intervenção militar e em apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro, durante as eleições. O relatório, elaborado por órgãos de inteligência, destaca o Movimento Brasil Verde e Amarelo (MBVA), coordenado por Galvan, como um dos principais protagonistas das mobilizações que levaram a atos de terrorismo.

Os relatórios são da Agência Brasileira de Inteligência, e apontam que o MBVA tem sido atuante na promoção de eventos que defendem, abertamente, a intervenção militar, bem como nas manifestações de apoio a Bolsonaro, mesmo antes das eleições do ano passado. O movimento é composto por lideranças de entidades agropecuárias, incluindo a Associação Nacional de Defesa dos Agricultores e Produtores da Terra (Andaterra) e as Associações de Produtores de Soja e Milho (Aprosojas) de Mato Grosso e Goiás, além da União Democrática Ruralista (UDR) e conta com Galvan à frente de suas ações.

A Aprosoja é uma das principais articuladoras da bancada ruralista, que busca alianças com políticos para avançar com suas pautas: a restrição da demarcação de terras indígenas e o direito ao armamento da população. A deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) chegou a ter o microfone cortado enquanto tentava denunciar o envolvimento de Galvan nos atos golpistas de 8 de janeiro, durante a Comissão Parlmentar de Inquérito do MST, na Câmara dos Deputados.

Galvan, identificado por outros coordenadores do MBVA e membros da Aprosoja como o “general” do grupo, já é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Além disso, o relatório aponta que Jeferson da Rocha, advogado em Florianópolis e porta-voz do MBVA, também é uma figura chave nas mobilizações golpistas.

As convocações para essas mobilizações ocorrem, principalmente, por meio de redes sociais, utilizando sua ampla base de seguidores. Além disso, o grupo também é responsável pelo programa Sucesso no Campo, veiculado na TV aberta, em Sinop.

Um dos ônibus financiados por golpistas que saiu de Sinop, no Mato Grosso, a caminho de Brasília. Foto: reprodução

No entanto, vale ressaltar que o MBVA enfrenta divergências e controvérsias dentro do próprio setor agropecuário, tendo confrontos com entidades como a Frente Parlamentar Agropecuária e a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), incluindo membros da Aprosoja.

O relatório também menciona um episódio envolvendo Vilso Gabriel Brancalione, delegado suplente da Aprosoja de Mato Grosso, que foi preso em novembro de 2022, após um confronto com a polícia, juntamente com outras duas pessoas, depois de terem furtado e incendiado pneus em um bloqueio em Nova Mutum (MT).

Foto: reprodução

Galvan também foi alvo de busca e apreensão após surgir em um vídeo com Sérgio Reis. Na gravação, cantor pedia que caminhoneiros participassem, ativamente, de movimentos golpistas, como o bloqueio de rodovias, para impedir a eleição de Lula. No dia do depoimento de Galvan, a sede da Polícia Federal, em Sinop, amanheceu com dezenas de caminhões e tratores, em uma evidente tentativa de intimidação.

O empresário também foi acionado na Justiça por manter plantações de soja em uma área proibida de 500 hectares que ele próprio desmatou.

Para a Justiça Eleitoral, Galvan declarou mais de 10 milhões de reais quando foi candidato a senador pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), que era comandando por Roberto Jefferson, atualmente preso por atirar contra policiais.

A Comissão Mista Parlamentar de Inquérito (CPMI) do Golpe deve analisar os relatórios da Abin na volta do recesso parlamentar.