Entre as páginas da agenda, estão registradas diretrizes que visam limitar os poderes do Supremo Tribunal Federal (STF), especialmente do ministro Alexandre de Moraes, além de instruções que questionam a legalidade de ordens judiciais emitidas por juízes considerados suspeitos

Foto: Alan Santos/PR

Uma agenda com anotações com teor golpista à mão foi encontrada na casa do ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI), durante a gestão Bolsonaro, durante busca e apreensão na quinta (8). De acordo com a Polícia Federal, o conteúdo sugere que Heleno atuou de maneira ativa para desencadear ações golpistas, e utilizar a Agência Brasileira de Inteligência para se infiltrar em partidos e eventos políticos nas eleições. As informações são de Bela Megale, no O Globo.

Para os investigadores, a descoberta dessas anotações na residência de Heleno não é um caso isolado, mas sim um reflexo de um padrão recorrente dentro do governo de Jair Bolsonaro.

Documentos semelhantes foram encontrados em outros locais ligados ao círculo próximo do presidente, intensificando as suspeitas de que os investigadores apontam indícios: Bolsonaro, militares e políticos aliados atuaram para planejar uma tentativa de golpe no Brasil.

Filipe Martins, um dos quatro presos durante a operação, e ex-assessor internacional de Bolsonaro, é apontado como autor de uma minuta golpista que previa a prisão do ministro Alexandre de Moraes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Essa minuta foi apreendida. Também na casa de Valdemar da Costa Neto, um documento semelhante foi apreendido, além de uma arma de fogo irregular.

Valdemar da Costa Neto foi preso e deve passar por uma audiência de custódia nessa sexta-feira. Uma pepita de ouro retirada de garimpo foi apreendida com Valdemar. A polícia investiga se a origem é ilegal e um teste de DNA deve revelar se foi em regiões onde existem Terras Indígenas.