Reconhecido por lei estadual, o movimento também é declarado patrimônio imaterial da cidade 

Foto: João Xavi para “A Batalha do Passinho: o filme”, de Emílio Domingos

Por Nathália Shizuka

Parte da cultura do Funk carioca, o passinho agora é patrimônio do estado. O governo estadual sancionou a lei nº 10.289/2024, que declara a Dança do Passinho como Patrimônio Cultural Imaterial do Rio de Janeiro. O projeto de lei é de autoria da deputada estadual Verônica Lima (PT).

Historicamente, o passinho teve início nos bailes do Complexo do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, e se popularizou nos bailes funk dos anos 2000 nas favelas cariocas. Mas seu auge foi quando o grupo Imperadores da Dança incluiu o estilo em suas performances e o levou para batalhas que rolavam pela cidade. Hoje, o passinho se popularizou por todo o Brasil, aparecendo até na abertura das Olimpíadas do Rio em 2016.

Desde 2017, o projeto já estava em trâmite na Câmara dos Vereadores e agora foi sancionada pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Os bens culturais de natureza imaterial dizem respeito àquelas práticas e domínios da vida social que se manifestam em saberes, ofícios e modos de fazer; celebrações; formas de expressão cênicas, plásticas, musicais ou lúdicas; e nos lugares (como mercados, feiras e santuários que abrigam práticas culturais coletivas). Reconhecer o passinho, originado do funk, como patrimônio imaterial é muito importante para a valorização da arte produzida nas comunidades.