Nilton Ramon de Oliveira foi atingido na coxa e submetido a uma cirurgia de emergência, e o quadro dele é grave

Foot: reprodução

O cabo da polícia militar Roy Martins Cavalcanti atirou contra o entregador do Ifood, Nilton Ramon de Oliveira, de 24 anos, após o trabalhador se recusar a subir até o apartamento do PM. Nilton foi atingido na coxa e submetido a uma cirurgia de emergência, e o quadro dele é grave.

O entregador foi até o endereço de bicicleta, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Ao chegar ao portão da residência do cliente, o policial insistiu que o entregador subisse para entregar o lanche pessoalmente. Nilton argumentou que não era obrigado a fazê-lo, e seguiu a recomendação da plataforma de entrega, que garante que o entregador deve entregar o pedido no primeiro ponto de contato, ou seja, na portaria.

O PM Roy Martins se apresentou na 30ª Delegacia de Polícia (Marechal Hermes). A Corregedoria da Polícia Militar iniciou uma investigação. O militar alega ter agido em legítima defesa, alegando que Nilton tentou tomar sua arma, mas, de acordo com testemunhas, isso não ocorreu.

Testemunhas afirmam que tentaram intervir para acalmar a situação, porém os ataques do PM se intensificaram, culminando com o policial sacando sua arma em direção a Nilton e efetuando o disparo.

O momento do tiro não foi capturado nas filmagens. Um dos presentes no local, o atendente Jeferson Coimbra, relatou ter presenciado o momento em que o PM atirou contra o trabalhador.

Amigos e colegas de profissão de Nilton protestaram em frente ao condomínio onde o ataque aconteceu, expressando indignação e solidariedade ao entregador ferido.

O Ifood afirmou, em nota, que a conta do PM Roy Martins foi banida da plataforma. A plataforma afirma “não tolerar qualquer tipo de violência contra os entregadores parceiros”, e também afirmou que o entregador está recebendo apoio jurídico, por meio da atuação de uma advogada do coletivo de defensoras Black Sisters em Law, que acompanhará todo o processo jurídico do caso.

De acordo com a plataforma,”Nilton agiu corretamente”, afirmou a gerente do iFood, Tatiane Alves.

*Esse texto foi atualizado às 18h, com o posicionamento do Ifood.