Dzevoniia / Getty Images

O período de isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus, está deixando as pessoas nostálgicas.

Segundo o Spotify, a busca por músicas nostálgicas aumentou em 54% na semana passada. Aumentaram também as playlists criadas pelos usuários com esse recorte. Faixas como “Tempo Perdido”, da Legião Urbana, “Bohemian Rhapsody”, do Queen, “Apenas Mais uma de Amor”, de Lulu Santos, “Sweet Child O´Mine”, dos Guns N´ Roses, e “Se?”, de Djavan estão entre os hits de décadas passadas que tiveram um aumento significativo de plays nos últimos dias na plataforma no Brasil.

Segundo David DiSalvo, pesquisador de ciência comportamental e autor de “What Makes Your Brain Happy and Why You Should Do the Opposite” (“O que faz seu cérebro feliz e por que você deveria fazer o contrário”, em tradução livre”), ouvir músicas familiares durante tempos difíceis traz conforto.

“A nostalgia, para muitos de nós, nos leva de volta a uma época em que nossas vidas pareciam mais simples e tínhamos mais controle.”

O hit oitentista “Girls Just Want to Have Fun”, de Cindy Lauper, é uma das faixas dos anos 1980 que mais ganharam streams na semana passada, com mais de 2,3 milhões de plays no período de 1º a 7 de abril.

Cindy falou ao Spotify sobre o movimento. “O sonho de todo artista é que sua música possa trazer uma sensação de conforto, alegria e inspiração. É por isso que fazemos o que fazemos, conectar-nos, contar histórias com as quais as pessoas possam se identificar, chorar, rir, dançar e se alegrar, confortar. A música marca o tempo para mim. Então, quando ouço uma música, ela me leva de volta àquele exato momento no tempo”.

Alguns outros dados do levantamento do Spotify: “Manhã de Carnaval”, de Astrud Gilberto (1950), cresceu 43% em número de streams semana passada, comparada à primeira semana de março. “O Grande Amor”, de Stan Getz, João Gilberto e Tom Jobim (1960), cresceu 21%. “Acenda o Farol”, de Tim Maia (1970), cresceu 37%. “Drão”, de Gilberto Gil (1980), cresceu 61%. Os dados são de 1º a 7 de abril.

#quarentena #musica #pandemia