Dez artistas participantes do Contemporâneas Vivara mostram como arte de rua também é um espaço feminino

Empena dupla em Salvador, obras de Ani Gonzala Lorde e Jess Vieira. Foto: Danilo Umbelino

Em um lugar e em uma arte onde o convencional é eles prenominarem, dez grafiteiras e uma poetisa reforçam como o espaço urbano também é um lugar de mulher. Juntas, elas assinam 18 murais, alguns deles são pinturas em prédios com mais de 15 andares, em cinco capitais brasileiras. Da idealização, passando pela captação de recursos, criação e até a execução das obras, são elas quem comandam o Contemporâneas Vivara, projeto que, mesmo no terceiro ano, ainda enfrenta desafios para colocar o universo feminino na arte urbana.

Com 90% da equipe feminina, a terceira edição do projeto leva a temática “Arte, Rua e Poesia” para as cidades de Manaus, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. A poetisa de Aline Bei criou versos para cada mural, em cada cidade, todos inspirados em poéticas do feminino e na proposta da curadora Vivi Villanova: levar o sol e a lua para as obras, em formas, cores e “sentidos diversos para o dia e a noite – as duas forças que agem continuamente sobre a vida da cidade”, explica a também diretora artística.

Além de levar um olhar mais feminino para a arte de rua, onde hoje a maioria das empenas no País são assinadas por homens, as 10 artistas, mesmo sem combinar, enfatizaram um mesmo olhar sobre a temática. “A gente percebeu que as artistas acabaram fazendo autobiografias. Então, se você for olhar todos os murais, é um autorretrato da própria artista ali, cada uma na sua característica. Ficou muito interessante isso”, comenta Stefania Dzwigalska, idealizadora e produtora executiva do projeto independente criado pela Tête-à-Tête A Rede, do qual é sócia.

A rua é um lugar não seguro para a mulher

Para a produtora executiva Stefania Dzwigalska, desde conseguir o incentivo e ter o patrocinador investindo, até a execução do projeto, são inúmeros os desafios em colocar as grafiteiras como protagonistas de suas obras de rua. “A gente vive em um mundo patriarcal. As estruturas, em todas as etapas, são masculinas. E um projeto na rua exige autorização de vários órgãos, atenção ao clima, equipe de segurança, insegurança da violência: porque a rua é um lugar não seguro para a mulher. Então, a gente enfrenta tudo isso, todo dia”, explica.

Falta de oportunidade é também comum para as mulheres do grafite. Em Manaus (AM), a artista Deborah Êre esperou quase 10 anos para conseguir produzir a primeira empena, com uma equipe liderada por ela. “Criadora de si”, obra que produziu para o Contemporâneas Vivara, é uma sereia em cores diante do Encontro das Águas, que corta o céu em 80 metros de altura, no Edifício Palácio das Artes, um dos mais altos da capital amazonense. Foram 17 dias de trabalho, em meio à crise climática da Amazônia, com pouca visibilidade devido à fumaça das queimadas e sensação térmica de até 49 graus. “Este cenário dificulta o transporte de bens que precisamos acessar, deixa o ar insalubre, o calor insuportável. Fora isso, como mulher, somos sobrecarregadas com as muitas funções que temos que desempenhar no dia a dia”, comenta. Deborah Erê, que também é professora de Arte em escola pública e empreendedora de produtos da própria marca, se divide em várias funções para viver de arte. Ela grafita desde 2014, mas, em sua maioria, estava envolvida em projetos liderados por artistas homens. “Encontrar meios e espaços para se expressar, sendo mulher, é uma responsabilidade e também uma conquista, porque toda oportunidade pode ser única”, disse.

Criada por Deborah Erê, a empena “Criadora de Si” está localizada no Centro de Manaus. Foto: Orlando Júnior

Do outro lado do País, em Porto Alegre (RS), a artista Pati Rigon também encarou outros extremos do clima: quatro ciclones, alagações, mudanças bruscas de temperatura atrasaram a obra “Encontrava, na brisa da noite, uma alegria pelo que virá”, de 30 metros de altura, localizada no Centro Histórico da capital gaúcha.  Para a artista, que grafita ruas na capital gaúcha desde 2015, a maior dificuldade ainda é o “grande abismo quando se aborda o aspecto de gênero”, diz.  “Não há nem comparação entre o número de grafiteiros homens com o número de grafiteiras mulheres atuando. A cena do grafite ainda é um lugar muito dominado por homens e pelo machismo, as ruas sempre foram lugares hostis para mulheres, então esse é outro desafio a ser encarado e um novo espaço a ser ocupado cada vez por mais mulheres”, ressalta.

Só a Bahia tem: uma empena dupla e sete mulheres no comando

Somente Salvador (BA) é a cidade com uma empena dupla, pintadas lado a lado pelas artistas Ani Ganzala Lorde e Jess Vieira. “Acredito que deixar uma arte nas ruas de Salvador é mais do embelezar uma cidade, é também colaborar para que o dia de uma pessoa seja transpassado por algo que vai trazer um pouco mais de harmonia, um pouco mais de reflexão para dentro de si”, ressalta a artista visual Jess Vieira.  Localizada no bairro Canela, as obras com 30 metros de altura foram produzidas por um time formado por sete mulheres pintoras, ao lado das criadoras. “A primeira coisa que eu fiz quando recebi o convite, foi chamar minhas amigas grafiteiras para participar também. Foram oito dias e oito horas de trabalho por dia. Ficamos muito felizes com o resultado”, conta Ani Ganzala Lorde.

Além da dupla Ani e Jess de Salvador, de Débora Erê e Pati Rigon, o projeto tem obras de Samara Paiva, de Manaus; Mitti Mendonça de Porto Alegre; Chica Capeto e Aline Besouro, do Rio de Janeiro; e Bianca Foratori e Hanna Lucatelli de São Paulo. “Apoiar um projeto com mulheres diversas, que criam arte e poesia a partir de suas experiências singulares no mundo, está alinhado com nosso desejo de que cada uma das colaboradoras da Vivara sinta sua história celebrada.” Marina Cirelli, Diretora de Marketing e Sustentabilidade Vivara.

 

Perfil das artistas

Aline Bei (poesias) –  nasceu em São Paulo, é formada em Letras pela PUC-SP, em Artes Cênicas pelo Teatro Escola Célia-Helena e pós-graduada em Escritas Performáticas pela PUC-RIO. O “Peso do Pássaro Morto”, finalista do prêmio Rio de Literatura e vencedor do prêmio São Paulo de Literatura e do prêmio Toca, é o seu primeiro livro. O romance foi finalista do prêmio Jabuti e do prêmio São Paulo de Literatura e já vendeu mais de 100 mil cópias.

MANAUS – AM

Samara Paiva – Obra: Dançar um amor longamente
É uma artista visual autodidata, formada em arquitetura e urbanismo, começou seus estudos em desenho e pintura após sua graduação em 2019, seu trabalho aborda temáticas como: intimidade, ambiente doméstico e vulnerabilidade. Das exposições que participou estão: SP- Arte 2022 (Rotas Brasileiras), Zona Maco (MX) e Dos Brasis no Sesc Belenzinho (Em exibição).

Deborah Erê – Obra: Criadora de Si
É artista visual, professora de Artes, ativista ambiental e fundadora do espaço cultural @casadasereia092 . Seu trabalho com graffiti acontece em Manaus desde 2014, quando chegou à cidade. É formada em Artes Visuais pela Universidade Federal do Amazonas (2018) e leciona aulas de Artes na rede pública. Desde 2015 faz parte da equipe de grafiteiras Golden Girls.

SALVADOR – BA

Ani Ganzala Lorde. Obra: Maníla
Nascida em Salvador, descendente de pataxós e tupinambás, Ani é artista visual, grafiteira e viaja pelo mundo participando de residências, realizando mostras, exposição, workshop e palestras.  Sua experiência artística se iniciou em 2011 com investigações das suas memórias e vivências.

Jess Vieira. Obra: Dormiria milênios se ninguém a perturbasse, fabricava dois pássaros azuis
Artista visual e escritora autodidata, especializada em Estudos Brasileiros pela FESP-SP e estudante de Arteterapia pelo IJBA, a brasiliense radicada em Salvador aborda, através de abstrações e representações figurativas, a confluência entre consciente e inconsciente e a experimentação de signos.

RIO DE JANEIRO – RJ

Chica Capeto – Obra: A alegria se equilibra em seis panos estampados
Nascida no Rio de Janeiro, Chica tem 24 anos e é formada em Design de Moda, mas sempre atuou muito no mundo das artes. Os monstrinhos, que são a sua marca registrada, foram criados para expressar o seu mundo lúdico. Novos testes, formatos e projetos são sempre colocados em prática, buscando se encontrar cada vez mais nesse mundo da arte.

Aline Besouro – Obra: As palavras têm a força das canções
Nascida no Rio de Janeiro em 1990, Aline Besouro é printmaker, professora e artista. Suas experiências a inspiraram a seguir no diálogo entre a arte, educação e design. Suas ilustrações, estampas e projetos artísticos surgem fortemente influenciadas pelas mitologias (pessoais e ancestrais) e experiências dos ciclos da vida.

SÃO PAULO – SP

Bianca Foratori. Obra: Seu corpo era a luz acesa de uma casa em festa
Bianca Foratori é artista visual, natural de Jundiaí (SP) e vive em São Paulo capital. Sua poética aborda o cotidiano e tradições das mulheres como uma forma de rememoração de narrativas historicamente inferiorizadas. Nos últimos anos tem se dedicado a investigar sobre as dinâmicas de construção da memória feminina associadas à esfera doméstica, principalmente manifestadas através das artes decorativas e manualidades.

Hanna Lucatelli. Obra: Não era envelhecer o verbo de seu sono, tudo o que dorme floresce quando acorda
É artista visual, muralista e mãe, baseada em São Paulo. Suas obras promovem uma pausa, um respiro e uma oportunidade de nos reconectar com nossa essência, enquanto indivíduos e coletividade. Propõe um olhar sobre a figura da mulher, questionando seu lugar e papel social, a fim de promover-lhes maior autonomia e protagonismo. Em 2020, foi apontada pela Forbes Under 30 como um dos cinco artistas de destaque daquele ano.

PORTO ALEGRE – RS

Pati Rigon (LUA) – Obra: Encontrava, na brisa da noite, uma alegria pelo que virá
Multiartista gaúcha, trabalha com pinturas a óleo hiper-realistas, grafittis, performances e tatuagens, também é modelo e militante intersexo brasileira. Formada em Design pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS – e pela Politécnica de Turim, na Itália.

Mitti Mendonça (SOL) – Obra: Não esquecerá o nome de seu sonho
É artista visual, designer gráfica, ilustradora e produtora cultural. Sua produção artística dialoga sobre a valorização da presença de mulheres na arte, a cura que mora nas memórias afetivas e a conexão com narrativas ancestrais negras.