Cerca de quatro toneladas de sementes da palmeira juçara, árvore ameaçada de extinção na Mata Atlântica, serão lançadas nesta quarta-feira (7)

Foto: Fundação Floresta

Na Semana do Meio Ambiente, MST e órgãos públicos promovem a semeadura aérea em área de reserva legal da Mata Atlântica, em Quedas do Iguaçu (PR).

Cerca de quatro toneladas de sementes da palmeira juçara, árvore ameaçada de extinção na Mata Atlântica, serão lançadas nesta quarta-feira (7), em uma área de reserva legal da reforma agrária de Quedas do Iguaçu, região centro-sul do Paraná. As sementes serão lançadas de um helicóptero da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

A ação ocorrerá em uma área de 67 hectares de reserva legal da comunidade de reforma agrária Dom Tomás Balduíno e nas encostas do Rio Iguaçu, área alagada após a construção da represa da Usina de Salto Osório. Mais de 2,5 mil famílias vivem atualmente na região. No passado, essa mesma área foi utilizada por uma empresa de monocultivo de pinus e eucalipto, fato que provocou a sua degradação.

A ação sendo organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA/PR), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Itaipu, Agroecology Fund (AEF), Laboratório Vivam de sistemas agroflorestais da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/LS), Prefeitura e Câmara de Quedas do Iguaçu, e o Instituto Água e Terra (IAT/PR). Representantes dos órgãos estarão presentes na atividade.

A ação integra o Plano Nacional Plantar Árvores e Produzir Alimentos Saudáveis, lançado pelo MST em todo Brasil em 2020. O objetivo é plantar 100 milhões de árvores em dez anos nas escolas do campo, cooperativas, centros de formação técnica, praças, avenidas e nas cidades, fortalecer a produção de alimentos saudáveis nas áreas de assentamentos e acampamentos do MST, denunciar o modelo destrutivo do agronegócio e seus impactos ao meio ambiente.

O Plano foi lançado no contexto de desmonte de políticas públicas de proteção ambiental e de afrouxamento das normas ambientais que ampliaram a destruição de todos os biomas brasileiros. A Mata Atlântica está entre os mais afetados. Segundo novo atlas divulgado no relatório da SOS Mata Atlântica e Instituto Nacional Pesquisa Espacial (INPE), o Paraná é o terceiro estado do país que mais destrói o bioma. Foram 2.883 hectares de corte ilegal em 2022, deixando o Paraná atrás de Minas Gerais e Bahia. Em todo o país, mais de 20 mil hectares de floresta foram destruídos no ano passado.

A juçara é uma das várias espécies típicas do bioma Mata Atlântica ameaçadas de extinção. A extração ilegal de seu palmito é o principal motivo da redução expressiva da quantidade da palmeira da floresta.

Programação

8h – Visita a uma unidade de processamento do fruto da juçara
9h – Café da manhã com produtos das frutas nativas da Mata Atlântica
10h – Ato político, com presença de representantes de autoridades públicas
11h30 – Início do lançamento das sementes
13h – Almoço
15h – Matinê