Especialistas convocam encontro online para discutir desafios e oportunidades

Foto: Mídia NINJA

A influência crescente das Big Techs no Brasil e no mundo apresenta uma ameaça significativa à soberania digital e à democracia. Em resposta a este cenário, a Frente pela Soberania Digital convoca uma reunião online para o dia 12 de dezembro, às 19h, com o objetivo de discutir os desafios e oportunidades relacionados a esta questão crucial.

No primeiro semestre de 2023, representantes de diversos setores da sociedade, incluindo governo, academia, sociedade civil e setor privado, se reuniram para debater esta temática. Um dos principais consensos alcançados foi a necessidade urgente de estabelecer uma agenda brasileira dedicada à soberania digital.

A soberania digital é definida como a capacidade de um país de controlar seus próprios dados, infraestruturas e políticas digitais. A falta de soberania digital pode levar a consequências graves, como a censura de conteúdo, a manipulação de eleições e a erosão da diversidade cultural.

Durante a reunião no próximo dia 12, será discutido como a carência de soberania digital impacta diretamente a criatividade, a liberdade de expressão e a diversidade cultural no Brasil. O encontro reunirá ativistas, hackers, pesquisadores e influenciadores digitais, com o intuito de elaborar estratégias para assegurar que os dados e as informações dos brasileiros permaneçam sob controle nacional, fortalecendo, assim, a soberania digital do país.

Os participantes também buscarão soluções para os principais desafios, incluindo:

• A emancipação humana e a alienação técnica: O Brasil está em vias de realizar o processo de estruturação das temáticas e competências digitais na grade curricular do Ensino Básico e esse processo pode significar um grande salto da Alienação Técnica para a emancipação humana, desde que as perspectivas e valores adotados sejam humanistas e soberanos.

• A criação de infraestruturas digitais públicas: As Big Techs controlam a infraestrutura digital, incluindo os servidores, os cabos e os satélites. Isso lhes dá um poder significativo sobre o fluxo de informações e a forma como as pessoas usam a internet. A criação de infraestruturas digitais públicas seria uma forma de reduzir a dependência das Big Techs e garantir que os dados e as informações das pessoas permaneçam sob controle nacional.

• O desenvolvimento de tecnologias brasileiras: As Big Techs dominam o mercado de tecnologias digitais, como software, hardware e serviços de nuvem. Isso dificulta o desenvolvimento de tecnologias alternativas que possam ser mais alinhadas com os valores e as necessidades locais. O desenvolvimento de tecnologias alternativas às Big Techs seria uma forma de promover a inovação e a diversidade no setor tecnológico.

• O Incentivo à Soberania Digital nos Territórios e Comunidades: Para o equilíbrio do tecido social, é preciso garantir a autonomia e liberdade tecnológica das pessoas e suas comunidades, em relação a Governos e Empresas, de forma que tecnologias e infraestruturas sejam interoperáveis e interdependentes.

• A governança global e os desafios geopolíticos do futuro: As empresas de tecnologia estão se tornando cada vez mais importantes para a economia global, e elas estão exercendo um poder crescente sobre a informação e a política. Isso representa uma ameaça à soberania digital dos países, que podem perder o controle sobre seus dados e infraestruturas.

A reunião é aberta ao público e será uma ótima oportunidade para construir uma agenda brasileira para a soberania digital.

Serviço

Data e Horário: 12 de Dezembro, 19h (horário de Brasília)
Local: Online, via plataforma da UFBA.
Para participar, confirme sua presença através do site www.Soberania.Digital