Longa-metragem carioca arrematou sete prêmios, incluindo de melhor longa-metragem pelo Júri Oficial

Foto: Divulgação

A 56ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro consagrou “Mais um Dia, Zona Norte”, de Allan Ribeiro, com o Troféu Candango de melhor longa-metragem pelo Júri Oficial da Mostra Competitiva Nacional, na noite de premiação, realizada neste sábado (16), no Cine Brasília. O filme também foi quem mais arrematou troféus na noite, sendo agraciado com os prêmios de melhor ator e atriz coadjuvante (para Victor Veiga e Valéria Silva), melhor trilha sonora (para Allan e o músico Tibor Fittel) e ainda com as honrarias especiais do júri (para Silvio Fernandes); da crítica, entregue pelo Júri Abraccine; e do Prêmio Like, que concede R$ 50 mil em mídia para difusão do filme no Canal Like.

Esta é a segunda vez que o diretor carioca tem sua obra premiada em Brasília, após pouco mais de dez anos, quando levou os Candangos de melhor direção de arte e de melhor edição na edição de 2012, com o filme “Esse Amor que nos Consome”.

O brasiliense “Cartório das Almas”, de Leo Bello, caiu nas graças do público na Competitiva Nacional, com o troféu de melhor longa-metragem pelo Júri Popular. A produção levou também os Candangos de melhor edição de som (Olivia Hernandez) e de melhor direção de arte (Maíra Carvalho).

Quem também arrematou uma série de troféus Candangos nesta edição do Festival de Brasília foi o mineiro “O Dia Que Te Conheci”, de André Novais. Além de receber o Prêmio Zózimo Bulbul, a produção foi lembrada em outras três categorias: melhor roteiro, para o diretor André Novais; melhor ator, para Renato Novais; e melhor atriz, para Grace Passô.

Dentre os curtas-metragens, o maior destaque da premiação ficou com o documentário poético e semi-autobiográfico “Pastrana”, de Gabriel Motta e Melissa Brogni, Troféu Candango de melhor curta-metragem segundo o Júri Popular, Prêmio Canal Brasil de Curtas, além de melhor montagem (para Bruno Carboni). No Júri Popular, o curta “Vão das Almas”, de Edileuza Penha e Santiago Dellape, foi o preferido do público como melhor curta-metragem da Competitiva Nacional.

O prêmio de melhor direção foi para a cineasta GG Fákọ̀làdé, por “Remendo”, que também levou o Prêmio Abraccine, outorgado pelo júri da crítica. O filme ainda arrebatou o troféu de melhor ator pelo trabalho de Elídio Netto.

Na Mostra Brasília, o júri do 25º Troféu Câmara Legislativa do Distrito Federal consagrou o documentário sobre o teatrólogo uruguaio-brasiliense Hugo Rodas. “Rodas de Gigante” foi premiado como melhor longa pelo Júri Oficial, além de melhor direção (Catarina Accioly) e melhor montagem (Sérgio Azevedo). O filme também leva o Troféu Saruê, da equipe do jornal Correio Braziliense, reconhecimento por proporcionar o melhor momento do festival.

Dentre os curtas, “Instante” foi o grande vencedor, com o prêmio de melhor curta pelo Júri Oficial, além dos troféus de melhor atriz e de melhor roteiro para a diretora Roberta Rangel. “Não Existe Almoço Grátis”, de Marcos Nepomuceno e Pedro Charbel, e “Nada se Perde”, de Renan Montenegro, foram eleitos, respectivamente, melhor longa e melhor curta segundo o Júri Popular e ainda receberam menção honrosa do Júri Oficial.

Confira a lista completa de premiados do 56º Festival de Brasília:

MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL LONGAS | Troféu Candango

Melhor LONGA-METRAGEM Júri Oficial – MAIS UM DIA, ZONA NORTE, de Allan Ribeiro

Melhor LONGA-METRAGEM Júri Popular – CARTÓRIO DAS ALMAS, de Leo Bello

Melhor DIREÇÃO – ARIEL KUARAY ORTEGA E ERNESTO DE CARVALHO, por A Transformação de Canuto

Melhor ATOR – RENATO NOVAIS, por O Dia Que Te Conheci

Melhor ATRIZ – GRACE PASSÔ, por O Dia Que Te Conheci

Melhor ATOR COADJUVANTE – VICTOR VEIGA, por Mais Um Dia, Zona Norte

Melhor ATRIZ COADJUVANTE – VALERIA SILVA, por Mais Um Dia, Zona Norte

Melhor ROTEIRO – ANDRÉ NOVAIS OLIVEIRA, por O Dia Que Te Conheci

Melhor FOTOGRAFIA – CAMILA FREITAS, por A Transformação de Canuto

Melhor DIREÇÃO DE ARTE – MAÍRA CARVALHO, por Cartório das Almas

Melhor TRILHA SONORA – ALLAN RIBEIRO E TIBOR FITTEL, por Mais Um Dia, Zona Norte

Melhor EDIÇÃO DE SOM – OLIVIA HERNANDEZ, por Cartório das Almas

Melhor MONTAGEM – RENATA BALDI E SANDRA KOGUT, por No Céu da Pátria Nesse Instante

Melhor ROTEIRO DE TEMÁTICA AFIRMATIVA – ARIEL KUARAY E ERNESTO DE CARVALHO, por A Transformação de Canuto

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI – NO CÉU DA PÁTRIA NESSE INSTANTE, de Sandra Kogut

MENÇÃO HONROSA – SILVIO FERNANDES Mais Um Dia, Zona Norte

MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL CURTAS | Troféu Candango

Melhor CURTA-METRAGEM Júri Oficial – PASTRANA, de Gabriel Motta e Melissa Brogni

Melhor CURTA-METRAGEM Júri Popular – VÃO DE ALMAS, de Edileusa Penha e Santiago Dellape

Melhor DIREÇÃO – GG FÁKÒLÀDÉ, por Remendo

Melhor ATOR – ELÍDIO NETTO, por Remendo

Melhor ATRIZ – JHONNÃ BAO, por Erguida

Melhor ROTEIRO – CATAPRETA, por Dona Beatriz Ñsîmba Vita

Melhor FOTOGRAFIA – PEDRO RODRIGUES, por Helena de Guaratiba

Melhor DIREÇÃO DE ARTE – CARMEN SAN THIAGO, por Cáustico

Melhor TRILHA SONORA – DJ MACHINTAL, por Helena de Guaratiba

Melhor EDIÇÃO DE SOM – DAVID NEVES, por Axé Meu Amor

Melhor MONTAGEM – BRUNO CARBONI, por Pastrana

Melhor ROTEIRO DE TEMÁTICA AFIRMATIVA – JHONNÃ BAO, por Erguida

MENÇÃO HONROSA – CIDADE BY MOTOBOY, de Mariana Vita; e VÃO DAS ALMAS, de Edileuza Penha de Souza e Santiago Dellape

MOSTRA BRASÍLIA | 25º Troféu Câmara Legislativa

Melhor LONGA-METRAGEM Júri Oficial – RODAS DE GIGANTE, de Catarina Accioly

Melhor CURTA-METRAGEM Júri Oficial – INSTANTE, de Paola Veiga

Melhor LONGA-METRAGEM Júri Popular – NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS, de Marcos Nepomuceno e Pedro Charbel

Melhor CURTA-METRAGEM Júri Popular – NADA SE PERDE, de Renan Montenegro

Melhor DIREÇÃO – CATARINA ACCIOLY, por Rodas de Gigante

Melhor ATOR – THALLES CABRAL, por Ecos do Silêncio

Melhor ATRIZ – ROBERTA RANGEL, por Instante

Melhor ROTEIRO – ROBERTA RANGEL, PAOLA VEIGA e EMANUEL LAVOR, por Instante

Melhor FOTOGRAFIA – KRISHNA SCHMIDT E ANDRÉ CARVALHEIRA, por Ecos do Silêncio

Melhor DIREÇÃO DE ARTE – JOÃO CAPOULADE, JULIET JONES E SARAH GUEDES, por O Sonho de Clarice

Melhor TRILHA SONORA – CESAR LIGNELLI, por O Sonho de Clarice

Melhor EDIÇÃO DE SOM – FERNANDO VIEIRA E FRANCISCO VASCONCELOS, por O Sonho de Clarice

Melhor MONTAGEM – SÉRGIO AZEVEDO, por Rodas de Gigante

Menção Honrosa do Júri – ESTRELA DA TARDE, de Francisco Rio; NADA SE PERDE, de Renan Montenegro; e NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS, de Marcos Nepomuceno e Pedro Charbel

PRÊMIOS ESPECIAIS

Prêmio Zózimo Bulbul – entregue pela Associação dos Profissionais do Audiovisual Negro (Apan) e pelo Centro Afrocarioca de Cinema para os filmes que têm o corpo negro na frente e por trás das câmeras e pela inovação estética e narrativa na abordagem de subjetividades negras.

Melhor curta-metragem: ERGUIDA, de Jhonnã Bao

Melhor longa-metragem: O DIA QUE TE CONHECI,de André Novais

Menção Honrosa: A CHUVA DO CAJU, de Alan Scharvsberg

Prêmio Abraccine – entregue pelo Júri da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine).

Melhor longa-metragem: MAIS UM DIA, ZONA NORTE, de Allan Ribeiro

Melhor curta-metragem: REMENDO, de GG Fákọ̀làdé

Troféu Saruê – entregue pela equipe do Correio Braziliense para o melhor momento, filme ou personalidade no Festival de Brasília.

RODAS DE GIGANTE, de Catarina Accioly

Prêmio Canal Brasil – entregue pela emissora para o melhor curta-metragem, que passará a integrar a grade de programação do canal.

PASTRANA, de Gabriel Motta e Melissa Brogni

Prêmio Like – prêmio em dinheiro, com apoio de mídia e publicidade em veiculação entregue pela emissora ao filme reconhecido como melhor longa-metragem pelo Júri Oficial.

MAIS UM DIA, ZONA NORTE, de Allan Ribeiro