O ex-parlamentar sempre negou a acusação, chamando o episódio de um “leve e rápido abraço”. Ele ainda permanece filiado ao União Brasil

Foto: reprodução/Alesp

O ex-deputado estadual Fernando Cury, atualmente no União Brasil, foi condenado por importunação sexual contra a ex-deputada Isa Penna, do PCdoB. Nesta quarta-feira (6), a Justiça de São Paulo proferiu uma sentença condenatória pelo crime ocorreu que ocorreu em 2020 durante uma votação na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). A juíza Danielle Galhano Pereira da Silva aplicou uma pena de 1 ano, dois meses e 12 dias de prisão em regime aberto, substituída por multa de 20 salários mínimos e serviços comunitários.

O ex-parlamentar sempre negou a acusação, chamando o episódio de um “leve e rápido abraço”.

O Ministério Público alegou que Cury “abraçou e deslizou as mãos pela costela e seio da vítima”, conforme registrado por câmeras de segurança. Isa Penna destacou a importância do reconhecimento do ato como crime pelo Estado. Em nota, a ex-deputada celebrou a decisão como uma vitória na luta contra a violência política de gênero no Brasil, expressando solidariedade a outras mulheres na política.

A pena aplicada foi inferior à solicitada pelo MP, que buscava a pena máxima devido ao status de deputado estadual de Cury à época do crime.

Em dezembro de 2021, o Tribunal de Justiça recebeu a denúncia do Ministério Público. Cury foi suspenso do mandato por seis meses pelo Conselho de Ética da Alesp em 2021 e posteriormente expulso do partido Cidadania, migrando para o União Brasil. O vídeo gerou repercussão, levando à discussão sobre a necessidade de combate à violência de gênero na política brasileira.

*Com base nas informações do G1