.

Texto publicado originalmente por Colômbia Informa

“Não só ser um líder é um crime, tambem é pensar de jeito diferente”, diz Julian Gil, que foi preso em 06 de junho de 2018 e serviu como Secretário Técnico e membro das Comissões de Formação, de Economia Própria e Internacional do Congresso dos Povos.

Juli, nome dele para sua família, amigos e companheiros, foi abordado por cinco homens civis e dois soldados (aparentemente da Polícia Nacional), que colocaram ele num veículo sedan da marca Renault. Eles o levaram para o Comando de Polícia de Cundinamarca. A partir desse momento, ele é privado de sua liberdade.

O Juiz de Garantia, perante o qual o caso foi apresentado na sexta-feira, 8 de junho, emitiu medidas de segurança, conforme exigido pela Procuradoria. Esta instituição indica que pertence ao Exército de Libertação Nacional – ELN (guerrilha da Colombia)  e apresenta contra ele acusações de receber, transportar e traficar explosivos e portar armas; com base exclusivamente no testemunho de uma pessoa que recebe benefícios legais por sua declaração.

Julián será privado de sua liberdade até que as medidas de segurança intramuros sejam revogadas ou sua inocência seja provada no tribunal. Desde o 19 de junho, ele fica no “Establecimiento Reclusión de Orden Nacional” (ERON), ala de segurança máxima da prisão La Picota (Bogotá). Sua transferência foi adiada por 11 dias devido à superlotação que têm os estabelecimentos prisionais colombianos.

Centenas de pessoas e organizações da Colômbia e do mundo estão exigindo sua liberdade. Julian terá que suportar a privação de sua liberdade sem que nenhuma evidência material seja levada ao caso. A Colômbia Informa (CI) pôde conversar com ele sobre o caso dele.

Personalidades como Frei Betto e membros da Alba de los Movimientos Sociales somam à exigência de liberdade para Julián

 

CI: Por que ser um líder social se tornou um crime na Colômbia?

Juli: Nos tempos em que o Governo Nacional fala sobre a Paz, há um crescente fechamento de possibilidades de participação política dos setores sociais historicamente marginalizados. Um exemplo vivo disso é a natureza sistemática com a qual o movimento social foi atacado. Claramente, não são casos isolados ou “bagunça de saias” 

Primeiro, o assassinato de defensores da natureza, direitos humanos, ex-combatentes e líderes sociais. Segundo, a perseguição política caracterizada em assembleias judiciais e falsos testemunhos, entre outros métodos que estigmatizam e aprisionam os líderes sociais e militantes que têm propostas políticas alternativas no país. Terceiro o monitoramento e o apontamento de todas as formas organizacionais que a classe popular desenvolveu para gerar condições dignas de vida. Com toda esta evidência de que não desenvolveu uma ofensiva pelo governo, em sincronia com as disposições imperial dos EUA e conglomerado financeiro internacional, para fechar todas as possibilidades organizacionais, políticos, culturais ou econômicas que contradizem seus interesses.

É claro que na Colômbia a democracia que governa a vida da sociedade nada mais é uma máscara que esconde um governo fascista que compartilha o poder entre a mesma classe oligárquica há pouco mais de 200 anos.

Não apenas ser um líder é um crime, ele também está pensando de maneira diferente, defendendo os direitos humanos, cuidando da terra e da água, lendo textos diferentes, organizando com vizinhos no bairro ou na rua. Mesmo ter sonhos diferentes hoje é prova suficiente para configurar um crime.

Estamos diante de uma regressão histórica de direitos, lutas e ganhos dos povos do mundo. Por esta razão, é possível dizer que a guerra imposta pelo Estado não cessará até que termine todas as expressões de dignidade que as pessoas em todos os territórios do país têm expressado.

Esta não é uma ofensiva apenas contra a esquerda, expressões alternativas ou progressivas. É uma ofensiva contra a vida em todas as suas expressões, onde a classe dominante continua a se impor aos povos para usurpar seus territórios, o fruto de seu trabalho e, em última instância, a própria vida.

CI: Qual é o seu papel no Congresso dos Povos?

Juli: Há algum tempo, estou convencido de que somente a organização e a luta podem nos aproximar da construção de novas realidades que dignificam nossas vidas. Por esta razão, desde que eu estava no ensino médio fazendo secundário eu participei de processos sociais a partir de processos eclesiais básicos, processos comunitários de bairro, organizações de direitos humanos, jovens e processos estudantis, processos educacionais e pesquisa. Eu dediquei minha vida à justa causa da organização e mobilização popular.

Trabalhei recentemente na Secretaria Técnica do movimento social e político do Congresso dos Povos, do qual contribuí para a Comissão de Capacitação, o Comitê de Economia Própria e a Comissão Internacional.

Nesses mesmos dias participei do Pré-Icfes Popular [1] “Vamos pela I Pública”, na área de Leitura Crítica e Filosofia. Da mesma forma, no espaço da Análise da Realidade, onde, juntamente com outras pessoas e processos básicos, são revisados os eventos do país, da cidade e da localidade.

Todas essas experiências que eu quero destacar o empenho e perseverança perseverança de muitos homens e mulheres, meninos e meninas que permanecem dia a dia forjar caminhos e calçadas que permitem bairro melhores condições para a vida. A partir deles e eles aprenderam a necessidade de superar o individualismo e passar para o pensamento e a ação coletiva.

Qual é o objetivo do Gabinete do Procurador?

Entendo que o Gabinete do Procurador, em conjunto com a Polícia e outras entidades, procura deslegitimar as nossas organizações sociais, populares e comunitárias. Para assinalar, perseguir e silenciar todas as vozes que resistem a saquear nossos territórios e escolhem defender os direitos humanos e a natureza. É, claramente, uma estratégia de morte que se enfurece contra aqueles que escolhem a vida. Para isso, eles usam assassinatos seletivos, perseguições, assembléias judiciais e estigmatização de líderes através da mídia de massa que desinformam e desfiguram a realidade, ajustando os eventos injustos do país a interesses privados.

Este é um fato de perseguição política que atenta contra a minha liberdade como pessoa, mas, acima de tudo, procura silenciar os processos e organizações sociais em que participo.

Campaña Ser Líder Social no es Delito impulsada por el Congreso de los Pueblos para denunciar la persecución, criminalización, judicialización y asesinato sistemático contra líderes y lideresas sociales

 

O que você quer dizer para aqueles que acompanham o seu caso?

Agradecer a todas as pessoas e organizações nacionais e internacionais que mostraram solidariedade com o meu caso e com todos os colegas do Congresso do Povo e outras organizações do movimento popular que hoje são vítimas de perseguição política.

Nestes momentos em que sou privado de liberdade, lembro-me claramente das palavras de uma camponesa companheira de Boyacá quando disse: “em todo lugar onde um revolucionário para, há esperança”. Eu descobri isso aqui. Há esperança no meio de tantas pessoas privadas de liberdade. Mas para mantê-lo, é necessário lutar todos os dias. Não é suficiente pronunciar palavras e grandes discursos, é necessário empreender ações que transformem o estado das coisas que nos oprimem.

Também quero dizer que a prisão é apenas mais uma parte da corrupção estrutural do país. Como um projeto de ressocialização para “infratores da lei”, ela fracassou e revela muito mais do que o que está subjacente à lei é uma punição para os mais pobres e marginalizados da sociedade. É outra forma de estigmatização e segregação da pobreza.

Devemos continuar trabalhando na unidade dos povos, na construção do poder e da autonomia em nossos territórios. Nós não podemos vacilar na busca de condições verdadeiras para uma vida digna e nunca devemos desistir de nossos sonhos de país e humanidade.

Deste espaço construído por e para o medo, envio uma saudação de companheira a todas as organizações irmãs, a todos os povos que, com a dignidade levantada todos os dias, forjam novos amanheceres. Mando um grande abraço, sempre em frente na defesa da alegria e da esperança. #EnElBarrioNosVemos