Os investigadores apontam “a existência de uma associação criminosa cuja estratégia para obter indevida vantagem econômica passa pela inserção de um terceiro, ‘testa de ferro’ ou ‘laranja’”

Foto: reprodução

Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente inelegível Jair Bolsonaro (PL), e seu instrutor de tiro, Maciel Alves, foram indiciados pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) por crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso e lavagem de dinheiro. A confirmação veio nesta quinta-feira (15), após a conclusão do inquérito da Operação Nexum, deflagrada em agosto do ano passado.

Os investigadores apontam “a existência de uma associação criminosa cuja estratégia para obter indevida vantagem econômica passa pela inserção de um terceiro, ‘testa de ferro’ ou ‘laranja’, para se ocultar o verdadeiro proprietário das empresas de fachada ou empresas ‘fantasmas’, utilizadas pelo alvo principal e seus comparsas”.

O relatório final da investigação foi encaminhado ao Poder Judiciário em 8 de fevereiro. Agora, cabe ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) analisar o caso e decidir se apresentará denúncia contra ambos, o que pode resultar na instauração de um processo penal na Justiça.

A operação, realizada no ano passado, incluiu mandados de busca e apreensão contra os acusados. Nem a defesa de Renan Bolsonaro ou de Maciel Alves se manifestaram até o momento.