Até então, não existiam diferenças substanciais entre as contas de menores e as de adultos nas plataformas da Meta

Foto: Tânia Rêgo

A Meta, empresa por trás do Facebook e Instagram, aumentou as restrições em conta de jovens usuários, com foco na prevenção de publicações consideradas danosas, como aquelas relacionadas a suicídio, automultilação e transtornos alimentares.

Até então, não existiam diferenças substanciais entre as contas de menores e as de adultos nas plataformas da Meta, obedecendo apenas à legislação dos Estados Unidos que determina o cadastro para maiores de 13 anos, sem uma política efetiva de verificação da idade.

As restrições ativas serão implementadas nas seções “Controle de conteúdo sensível” no Instagram e “Reduzir” no Facebook, proporcionando uma experiência online mais cuidadosa e protegida para os jovens usuários. A Meta também se compromete a enviar notificações às contas identificadas como pertencentes a menores de idade, informando sobre a nova política e oferecendo a opção de ativar as configurações recomendadas.

A ação é uma resposta direta ao crescente debate sobre o impacto negativo das redes sociais na saúde mental dos jovens. O ponto de partida é imediato para novas contas de menores de idade registradas a partir desta terça-feira (9), as quais serão submetidas a configurações mais rígidas desde o início.

A Meta destaca que, embora continue permitindo que usuários compartilhem experiências sobre suas lutas contra questões sensíveis, como suicídio e transtornos alimentares, a ênfase agora será na não recomendação e na dificuldade de acesso a esse tipo de conteúdo, preservando a integridade emocional dos adolescentes.

*Com informações da Folha