Foto: Arquivo Agência Brasil

Em um ato de total irresponsabilidade, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), anunciou nessa quarta-feira (7) que a atividade de empregadas domésticas é considerada essencial no período de pandemia, permitindo que trabalhadores com esta tarefa sigam atuando. A informação foi comunicada durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais.

A decisão do prefeito tem como base um decreto estadual assinado pelo governador do Pará, Hélder Barbalho (MDB), que entrou em vigor ontem (decreto nº 729). A capital paraense, segundo o mesmo decreto, estará sob isolamento obrigatório — suspensão total de atividades não essenciais — entre os dias 7 e 17 de maio.

Como fazer para combater a pandemia em um país dividido entre Casa Grande e Senzala? A Casa Grande são os patrões que não abrem mão do trabalho de suas empregadas domésticas, a parte Senzala dessa tragédia. Uma das primeiras vítimas da Covid-19 foi uma doméstica e contraiu o vírus da patroa. O aumento no número de empregadas domésticas que perderam suas rendas foi uma das duras realidades a ser encaradas pelas trabalhadoras, enquanto as que conseguiram manter seus empregos convivem com o medo de se infectar ao não poder seguir o isolamento social.

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Locomotiva mostrou que 39% dos empregadores não remuneram as domésticas dispensadas nesse período. A pesquisa ainda indica que 23% de diaristas e 39% de mensalistas continuaram trabalhando. Quem cuida de quem sempre cuidou? Liberem suas empregadas e as paguem.

Nas redes sociais, a descisão foi alvo de indignação.