A compreensão sobre as causas da crise climática é mais alta entre os mais jovens (85% na faixa de 16 a 24 anos)

Foto: Marwan Ali

Uma significativa parcela da população brasileira está consciente do impacto humano na crise climática. Segundo os resultados, 78% dos brasileiros acreditam que as atividades humanas contribuem para o aquecimento do planeta, sendo que 54% acreditam que essas atividades têm um impacto considerável no clima.

Os dados revelados pelo Datafolha apontam para uma consciência crescente em relação às mudanças climáticas, contrapondo-se a uma minoria de 17% que afirma que as ações humanas não contribuem para o aumento das temperaturas globais. A pesquisa, realizada presencialmente com 2.004 pessoas em 135 municípios, também destacou que 25% dos entrevistados consideram o impacto humano como pequeno, enquanto 5% não souberam responder.

Contrariando o consenso científico, que atribui as mudanças climáticas aos gases de efeito estufa provenientes de atividades humanas, 21% das pessoas com mais de 45 anos e 24% com ensino fundamental adotam uma postura de negacionismo climático.

Julia Neiva, diretora-adjunta da Conectas Direitos Humanos, ressalta, em entrevista para Folha, que o dado de 78% é particularmente interessante, destacando que o Brasil supera outros países nesse entendimento. Ela observa que pesquisas recentes comparando o Brasil aos Estados Unidos indicam que a conscientização sobre as mudanças climáticas é mais acentuada no Brasil.

O aspecto educacional e a faixa etária estão intrinsecamente ligados, conforme observado na pesquisa. A compreensão sobre as causas da crise climática é mais alta entre os mais jovens (85% na faixa de 16 a 24 anos) e aqueles com maior educação formal (90% entre os com ensino superior).

Neiva argumenta que o currículo escolar mais completo e atualizado em educação ambiental pode explicar a diferença de percepção entre as gerações. A diretora destaca a importância da educação socioambiental para compreender as interconexões entre clima, acesso à Justiça, direitos humanos e defesa dos territórios.

Num ano marcado por eventos climáticos extremos, a pesquisa também investigou a percepção dos brasileiros sobre essas ocorrências. Cerca de 64% acreditam que eventos extremos estão aumentando, enquanto 25% acreditam que estão diminuindo. A pesquisa ressalta a relevância de enfrentar as mudanças climáticas e fortalecer a educação ambiental no país.

Leia mais:

Racismo Ambiental: A Educação sob a crise do clima

Racismo ambiental: população negra é mais afetada por calor extremo

O que é racismo ambiental e como entender o conceito a partir da “catástrofe” de Petrópolis

Racismo ambiental e climático: uma realidade negligenciada pela sociedade