O tribunal considerou comprovado que “o acusado agarrou abruptamente a denunciante, a jogou no chão, impedindo-a de se mexer”

Foto: reprodução

O ex-jogador brasileiro Daniel Alves foi condenado a 4 anos e 6 meses de prisão pelo Tribunal de Barcelona por estupro de uma jovem de 24 anos. O crime ocorreu no banheiro de uma boate em Barcelona, na Espanha, em 30 de dezembro de 2022. A sentença foi anunciada na manhã desta quinta-feira, 22, pela juíza Isabel Delgado Pérez, da 21ª Seção da Audiência de Barcelona.

Além da pena de reclusão, Daniel Alves terá que cumprir cinco anos de liberdade vigiada e nove anos de distância da vítima, sendo proibido de entrar em contato com ela e se manter a pelo menos 1 km de distância de sua residência e local de trabalho. Além disso, ele deverá indenizá-la em 150 mil euros por danos morais, físicos e custos do processo.

O tribunal considerou comprovado que “o acusado agarrou abruptamente a denunciante, a jogou no chão e, impedindo-a de se mexer, a penetrou pela vagina, mesmo com a denunciante dizendo que não, e que queria sair”, conforme trecho da decisão.

Durante o julgamento, Daniel Alves afirmou que a relação sexual foi consensual e alegou estar alcoolizado no momento do incidente. No entanto, a vítima reforçou a acusação de estupro e agressão. Os exames de DNA corroboraram a versão da vítima, confirmando a presença de material genético do ex-jogador.

O ex-atleta, que estava preso há 13 meses, teve quatro pedidos de liberdade condicional negados durante o período de detenção. A defesa ainda pode recorrer da decisão junto à Sala de Apelações do Tribunal Superior de Justiça da Catalunha.