Mauro Cid e Torres são suspeitos de atuar ativamente para invasão da sede dos Três Poderes, em 8 de janeiro

Foto: reprodução

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Golpe, aprovou as convocações do ex-ministro da Justiça, Anderson Torres, e do tenente-coronel Mauro Cid, que serviu como ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Os dois são suspeitos de atuar ativamente para invasão da sede dos Três Poderes, em 8 de janeiro.

Na época dos ataques golpistas ocorridos em Brasília, Torres ocupou o cargo de secretário de Segurança Pública do Distrito Federal. Ele foi detido por quatro meses após ter se ausentado do país dias antes dos ataques e segue em prisão domiciliar. Durante uma busca realizada na residência do ex-ministro de Bolsonaro, foi encontrado um rascunho de um documento que indicava a orientação para um golpe de Estado por meio de uma intervenção na Justiça Eleitoral.

Uma minuta de convocação do Exército também foi encontrada no celular de Mauro Cid, além dele ser o principal suspeito de ter falsificado cartões de vacina, incluindo o de Bolsonaro, o que culminou com sua prisão em maio deste ano.

No início da sessão, houve um desentendimento em relação à ordem de votação dos requerimentos. A base do governo desejava priorizar os pedidos feitos pela senadora Eliziane Gama (PSD-MA), que é a relatora da CPI, porém, o presidente da CPI, Arthur Maia (União-BA), recusou o pedido.

Segue abaixo a lista completa de convocados:

  • Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal e ex-ministro da Justiça;
  • Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro;
  • Braga Netto, ex-ministro da Defesa e ex-candidato a vice-presidente;
  • Augusto Heleno, ex-ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
  • Gonçalves Dias, ex-ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI);
  • Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde;
  • Ricardo Cappelli, secretário-executivo do Ministério da Justiça e ex-interventor do Distrito Federal;
  • Fábio Augusto Vieira, ex-comandante da Polícia Militar do Distrito Federal;
  • Jorge Naime, ex-comandante de Operações da Polícia Militar do Distrito Federal;
  • Saulo Moura da Cunha, ex-diretor-adjunto da Agência Brasileira de Inteligência (Abin);
  • Silvinei Vasques, ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF);
  • Robson Cândido, delegado-geral da Polícia Civil do Distrito Federal;
  • George Washington de Oliveira Sousa, Alan Diego dos Santos e Wellington Macedo de Souza, suspeitos de tentar explodir um caminhão-tanque no Aeroporto de Brasília.