Para identificar as fazendas com maior probabilidade de fornecimento de gado para cada matadouro, os pesquisadores analisaram as “zonas de compra”

Foto: Agência Lusa

Um novo estudo revelou que mais de 800 milhões de árvores foram derrubadas na floresta amazônica em apenas seis anos para suprir a demanda global por carne bovina do Brasil. Essa informação preocupante contraria os alertas sobre a importância da Amazônia no combate à crise climática.

A pesquisa, conduzida pelo Bureau of Investigative Journalism (TBIJ), em colaboração com o The Guardian, Repórter Brasil e Forbidden Stories, revela a extensiva e sistemática perda de floresta relacionada à indústria pecuária.

Essa investigação é parte do projeto Bruno e Dom, desenvolvido pela Forbidden Stories, que continua o trabalho de Bruno Pereira, especialista em povos indígenas, e do jornalista Dom Phillips, ambos assassinados na Amazônia no ano passado.

Utilizando imagens de satélite, registros de movimentação do gado e outros dados, os pesquisadores da consultoria AidEnvironment calcularam a perda estimada de floresta ao longo de seis anos, de 2017 a 2022, em milhares de fazendas localizadas nas proximidades de mais de 20 matadouros.

Para identificar as fazendas mais prováveis de fornecerem gado para cada matadouro, os pesquisadores analisaram as “zonas de compra”, levando em consideração fatores como transporte e verificação por meio de entrevistas com representantes das fábricas. Todos os frigoríficos investigados exportam amplamente, incluindo para a União Europeia, Reino Unido e China, que é a maior compradora mundial de carne bovina brasileira.

*Com informações da Repórter Brasil e Curto News