Parlamentares criticaram a utilização de dinheiro público para cirurgias de redesignação sexual, mas o novo ambulatório não oferece este serviço

Vereador Daniel Cardoso (PSC) levanta a Bíblia na Câmara Municipal de Senador Canedo (Foto: Reprodução| Alô TV web)

Por Lucas Polinário

Na cidade de Senador Canedo, estado de Goiás, foi inaugurado no último dia 29 de julho, um Ambulatório Regionalizado do Processo de Afirmação de Gênero para atender a população trans. O atendimento é multidisciplinar à população transexual e travesti na cidade e mais 24 municípios ao redor. O ambulatório oferece apoio psicológico, psiquiátrico, de assistência social, clínico geral, enfermeiro, endocrinológico e hormonioterapia.

Vereadores de Senador Canedo, usaram a tribuna da Câmara Municipal para criticar a criação do Ambulatório Regionalizado do Processo de Afirmação de Gênero. O vereador Daniel Cardoso (PSC) disse que quem quiser o atendimento especializado deve usar o próprio dinheiro. Falou ainda que as pessoas tem que ir atrás de psicólogos para se tratar, fazer terapia, afirmando que a terapia cura. Disse também que se a pessoa nasceu homem, é para pedir a Deus sabedoria para tirar isso dentro da pessoa, ir em busca de cura e salvação.

Ainda durante a sessão, Daniel Cardoso, com uma Bíblia nas mãos, falou que o ambulatório está gastando dinheiro do município para realizar cirurgias de troca de sexo, e que a prefeitura deveria gastar esse recurso com os “problemas de verdade” da cidade.

O ambulatório inaugurado é fruto de uma pactuação iniciada entre Ministério da Saúde, estado e municípios, no ano de 2013, e que foi se concretizar agora através das resoluções N°05/2022 e N°049/2022. O novo centro ofertará através do SUS serviços ambulatórios e não fará processos cirúrgicos.

Sala do Ambulatório Regionalizado do Processo de Afirmação de Gênero (Foto: Divulgação | Prefeitura de Senador Canedo)

Rafaela Damasceno, técnica responsável pelo ambulatório, disse acreditar em um SUS inclusivo, reforçando que o ambulatório regionalizado segue a portaria do Ministério da Saúde, e que estes ataques da bancada evangélica são um grande desserviço a sociedade. “O objetivo é promover a inclusão da comunidade trans, que muitas vezes é marginalizada no atendimento de saúde”.

Rafaela também explicou que a cirurgia de redesignação de gênero não é realizada no local, é feito um encaminhamento para a Rede já existente no estado através do Hospital Geral de Goiânia (HGG). O ambulatório ofertará apenas o acompanhamento psicológico.

Rafaela Damasceno, técnica responsável pelo ambulatório. (Foto: Arquivo Pessoal)

Em nota enviada ao Planeta Foda, a Prefeitura de Senador Canedo disse que o ambulatório é um serviço de saúde pública e que a administração municipal atende a todos, independentemente de estigmas. “Lamentamos as falas deferidas pelo vereador e reafirmamos o nosso compromisso com a população”.

A Câmara Municipal de Senador Canedo disse que responde pelas pautas e projetos que tramitam na casa. Discursos e opiniões devem ser respondidos por cada político.

“A LGBTfobia é crime, por isso você foi denunciado na Delegacia de Polícia pela Renosp LGBTI e por várias entidades de defesa dos direitos humanos! A comunidade trans merece respeito!”, disse o ativista e policial antifascista Fabrício Rosa, fazendo referência à Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI.

Leia Mais

Vereadoras trans do PSOL denunciam Bolsonaro no MP por fala homofóbica

Mais de 26% dos Estados não incluem LGBTQIAPN+ em diretrizes de governo