O aumento significativo de casos de dengue no Brasil é atribuído ao clima favorável ao mosquito, influenciado pelo fenômeno climático El Niño e pelas chuvas frequentes

Ficha de controle de visita de febre amarela e dengue

Um estudo recente conduzido pelo Ministério da Saúde revelou uma preocupante estatística: três em cada quatro focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, estão dentro das residências dos brasileiros. Essa descoberta lança luz sobre a urgência de medidas preventivas e conscientização da população para combater a proliferação da doença.

O aumento significativo de casos de dengue no Brasil, com 345 mil casos em todo o país e 56 mil apenas no estado de São Paulo, é atribuído ao clima favorável ao mosquito, influenciado pelo fenômeno climático El Niño e pelas chuvas frequentes.

Os sintomas da dengue são muitas vezes confundidos com outras enfermidades, como a Covid-19, o que pode levar a diagnósticos tardios e tratamentos menos eficazes.

O Aedes aegypti tem preferência por áreas próximas aos seres humanos para depositar seus ovos, o que ressalta a relevância das medidas de controle dentro dos domicílios.

Além das ações de controle realizadas pelas autoridades de saúde, a participação ativa da população é fundamental na prevenção da dengue. Medidas simples que podem ser adotadas pelos cidadãos, como a verificação semanal de possíveis criadouros de mosquitos e a eliminação de água parada em recipientes e áreas externas.