No estado de São Paulo, os números são ainda mais preocupantes. Sete em cada dez mulheres revelaram ter medo de sofrer assédio durante o carnaval

Foto: Coletivo Não é Não

Uma pesquisa recente revelou uma estatística alarmante: 19% dos brasileiros ainda veem com naturalidade a ideia de um homem “roubar” um beijo de uma mulher durante as festividades de carnaval, especialmente se ela estiver bêbada ou vestindo roupas consideradas provocativas. Os dados foram coletados pelo Instituto Locomotiva em colaboração com a empresa Question Pro.

No estado de São Paulo, onde a pesquisa concentrou parte de suas análises, os números são ainda mais preocupantes. Sete em cada dez mulheres revelaram ter medo de sofrer assédio durante o carnaval, um reflexo claro da realidade enfrentada por muitas foliãs. Surpreendentemente, 45% das mulheres entrevistadas afirmaram já terem sido vítimas de assédio durante a festividade.

Mas não são apenas as estatísticas que chamam atenção. Os dados revelam uma mentalidade ainda presente em parte da população brasileira, onde a responsabilização da vítima e a naturalização do assédio persistem. Por exemplo, 32% dos entrevistados acreditam que uma mulher com pouca roupa em um bloco de carnaval está enviando sinais de que deseja beijar, reforçando assim uma cultura de culpabilização da vítima.

Além disso, a pesquisa também abordou a percepção sobre o combate ao assédio, com 89% das mulheres no estado de São Paulo concordando que é papel de todos combater práticas de assédio durante o carnaval.

Aprovado há um mês, o Protocolo “Não é Não”, que institui medidas de proteção contra o assédio, estará funcionando no Carnaval, e pode ser acionado por meio do Disk 181.

*Com informações do G1