A política brasileira é marcada pela desigualdade como a verdadeira expressão da nossa população. As casas legislativas ainda são lugares majoritariamente ocupados por homens brancos, que defendem os grandes interesses empresariais em detrimento da qualidade de vida e das garantias constitucionais do povo. Assim, sobrando pouco espaço para a presença e voz de mulheres e pessoas negras, que atuam em defesa dos direitos humanos e das minorias sociais do nosso país. Nos movimentos populares e partidos políticos, há muito tempo temos apontado a necessidade de ocupar essas cadeiras e governar para nós, a verdadeira maioria da população brasileira. Felizmente, nos últimos anos, temos presenciado o surgimento de projetos que procuram pesar a balança a nosso favor.

Através do Enegrecer – coletivo nacional de juventude negra – tive a oportunidade de conhecer e participar de uma dessas iniciativas, o Instituto PerifaLAB, que atua na aceleração lideranças de favelas e periferias brasileiras, territórios renegados pelo Estado, com a missão estratégica de ocupar os espaços de poder. Dentro do PerifaLAB, participei do Laboratório de Líderes Periféricas(os), um programa de aceleração em três tripés: formação, mentoria e suporte digital. Foram quatro meses em que tivemos uma formação em 20 aulas, acompanhamento individual em mentoria e acesso a métricas digitais, tudo com objetivo de aprimorar o planejamento estratégico e a comunicação de pessoas e projetos que querem virar a mesa do poder.

Em meio a crescente demanda por mais representatividade política, o Instituto PerifaLAB, que se organiza em uma rede de coletivos independentes, autônomos e suprapartidários, tem sido hoje um dos protagonistas nacionais na potencialização e impulsionamento de quadros excluídos do corpo institucional. O Perifa oferece as ferramentas necessárias para que lideranças periféricas do campo progressista, de todos os cantos do Brasil, possam disputar os espaços de poder, que também são nossos por direito.

Ainda há muito chão para percorrermos, mas o caminho finalmente já está sendo desenhado. Um Brasil com políticas públicas e leis que garantam o bem-viver e a cidadania plena para a população negra e indígena, mais direitos para as mulheres, dignidade para as LGBTQIA+ e inclusão para as pessoas com deficiência, só pode ser concretizado com a nossa presença nesses espaços. Estamos só começando!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Andressa Pellanda

Da receita estragada de Bolsonaro ao banquete saboroso da educação libertadora

Observatório das Eleições 2022

Por que o problema da desinformação persiste, quatro anos depois da eleição de Bolsonaro

Observatório das Eleições 2022

A fragilidade do nosso apoio à democracia

Márcio Santilli

Bolsonaro poderá renunciar

Fabio Py

O céu se comoveu no domingo

Márcio Santilli

As presidenciáveis

Juan Espinoza

Defesa dos direitos das mulheres na comunidade pan-amazônica

Observatório das Eleições 2022

Votamos sozinhos, mas fazemos política em grupo: ação coletiva e eleições

FODA

Mulheres negras: potência política em defesa da vida

Márcio Santilli

Bolsonaro confessa ao mundo sua intenção golpista

Rede Justiça Criminal

Você sente segurança com mais prisões e polícia?

Campanha em Defesa do Cerrado

Júri do Tribunal Permanente dos Povos condena estados e empresas por genocídio de povos do Cerrado

Márcio Santilli

Bancada Indígena

Juan Manuel P. Domínguez

Bolsonarismo e satanismo, uma relação estreita

Bancada Feminista do PSOL

Liberdade é não ter medo: um basta à cultura do estupro!