Arte: Gilmar / Design Ativista

A semana que se encerrou trouxe, entre tantas atrocidades do governo Bolsonaro, duas lives particularmente alarmantes.

Na tentativa de estabelecer comunicação direta com a população brasileira, o Presidente, em uma ocasião, noticiou seu decreto inconstitucional liberando o porte de armas pela população, fazendo com as mãos o sinal de “arminhas”, acompanhado nesse histrionismo por diversos parlamentares sem-noção.

Em outro momento, assistiu a seu Ministro da Educação noticiar o corte dos recursos “discricionários” de financiamento das Universidades Federais usando bombons para explicar erradamente a proporção dos cortes. Excluída a hipótese de que o Professor Weintraub ( do campus de Osasco da UFABC) não saiba calcular percentagens, ficamos diante da tentativa de passar desinformação em doses cavalares.

O “contingenciamento” operado nos orçamentos das Universidades Federais de fato corresponde em média a 30% de seus gastos de custeio: segurança, limpeza, energia, telefonia, insumos para laboratórios e atividades docentes, manutenção da assistência estudantil. A essa mutilação somaram-se outras notícias horríveis, com destaque para a suspensão de bolsas da CAPES, atingindo alunos matriculados em Mestrado e Doutorado, alguns fazendo seus estudos fora do Brasil.

Para usar as imagens de gosto do Presidente, essas mediadas são artilharia pesada contra estudantes, professores, técnicos, contra toda a comunidade universitária.

Em outros momentos de sua breve história ( comparada com a tradição quase milenar da Universidade européia e com a tradição pentassecular da Universidade nas Américas), a Universidade brasileira já enfrentou escassez e restrições a seu financiamento. Dificuldades conjunturais que não se comparam à presente ofensiva, que é deliberada e programática.
Não podemos permitir que “esse bando de doidos”, na expressão contundente e apropriada do Presidente Lula, imponha ao Brasil sua agenda obscurantista, claramente lesiva aos interesses da nossa soberania .

É impossível conceber um projeto nacional de desenvolvimento que não considere como recurso crucial o sistema nacional de educação superior, constituído pela rede de Universidades e Institutos Federais.

Por isso, toda a população brasileira está convocada a defendê-la, e, ao fazê-lo, defender o Brasil.

Todos à rua no dia 15 de Maio pela Democracia e pela Educação brasileira!!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Bruno Ramos

Um ano do massacre de Paraisópolis

NINJA

Para Ver a Luz do Sol. 40 anos de reexistência cosmopolítica no Bixiga

Jorgetânia Ferreira

São Paulo merece Erundina

Bancada Feminista do PSOL

Do #EleNão ao Boulos e Erundina sim!

Fabio Py

Dez motivos para não votar no Crivella: às urnas de luvas!

Márcio Santilli

O que esperar de um próximo mandato presidencial

História Oral

O Mitomaníaco e os efeitos eleitorais da Pós-Falsidade

Márcio Santilli

Bolsonaro-Frankenstein: cara de pau, coração de pedra e cabeça-de-bagre

Cleidiana Ramos

O furacão de tristezas que chegou neste 20 de novembro insiste em ficar

Tatiana Barros

Como nasce um hub de inovação que empodera pessoas negras

Colunista NINJA

LGBTI+ de direita: precisamos de representatividade acrítica?

Juan Manuel P. Domínguez

São Paulo poderia ser uma Stalingrado eleitoral

Colunista NINJA

A histórica eleição de uma bancada negra em Porto Alegre

Bancada Feminista do PSOL

Três motivos para votar na Bancada Feminista do PSOL

Carina Vitral da Bancada Feminista

Trump derrotado nos Estados Unidos, agora é derrotar o bolsonarismo na eleição de domingo no Brasil